Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

O MEP de portas abertas

Um espaço vivo, atento às questões da rua e da possibilidade e exercício de novas linguagens nas artes. É assim Museu do Estado do Pará, muito bem dirigido pelo artista plástico Sérgio Melo, cuja gestão abriu as portas do lindo palácio Lauro Sodré (antigo palácio do governo) à população, democratizando o acesso popular às artes e aproximando os artistas do público.  


Na quinta-feira passada, por exemplo, o MEP ofereceu o espetáculo de dança “Noite Flamenca”, em seu jardim interno. Uma brisa gostosa farfalhava os galhos das palmeiras e as flores, destacadas pela iluminação cênica. A eclética plateia,  formada por idosos, adultos, jovens e crianças, acomodada em cadeiras nas  laterais, assistia educadamente à dança, aos acordes da guitarra espanhola e às castanholas, cajons, palmas e sapateados em ritmo frenético no tablado. Na entrada e na saída, todos podiam visitar livremente a mostra “Retumbante Natureza Humanizada”, de Luiz Braga. passeando pelas quase 130 imagens – coloridas e em preto e branco – produzidas entre 1976 e 2014, que impressionam sobretudo pela luz.


Muita gente ainda não sabe, mas o Museu do Estado do Pará oferece uma vasta programação, totalmente gratuita, que inclui o programa “Bravíssimo!” – com música (da erudita à popular), canto e dança -, exposições de arte (sacra e plástica), envolvendo fotografia, pintura, escultura, mobiliário da época imperial -, eventos  e cursos livres abrangendo teatro, cinema, história do Pará, biografias, museologia, patrimônio cultural, antropologia e arqueologia, além do projeto “Troca-troca de leitura”, da biblioteca Antônio Landi, o Cine MEP uma vez por mês, o Programa Roda da Memória, que mostra trabalhos importantes produzidos por artistas locais, a participação no  Projeto Circular, oficinas, palestras e apresentações artísticas de diversos estilos, tais como street dance, e ainda o Festival Amazônia Mapping, de pesquisa e circulação de trabalhos sobre artes visuais, tecnologia e espaço urbano. 

 A idealização é da Secretaria de Estado de Cultura e Sistema Integrado de Museus e Memoriais. Além de dar maior visibilidade aos artistas, representa uma grande oportunidade para o incentivo e fomento à cultura como força social transformadora, de interesse coletivo. 


O MEP fica na Praça D. Pedro II, na Cidade Velha. Aproveitem!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *