O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

O Judiciário e a liberdade de imprensa

O sol ilumina a
Justiça. O juiz Paulo Gomes Jussara Jr. e os desembargadores do TJE-PA, citados
em matérias da jornalista Ana Célia Pinheiro, em seu blog Perereca da Vizinha, deram
importante exemplo que merece ser amplamente divulgado e seguido.
Ao invés de fazerem dos
respectivos cargos trincheira e arma – como determinados políticos são useiros e vezeiros – travaram o bom
combate enviando esclarecimentos com pedido de publicação da informação correta,
como deve ser. E Ana Célia de imediato fez o devido mea culpa, como se lê aqui
e aqui.
Simples assim, para gáudio da cidadania e da democracia.



NOTA DA JORNALISTA ANA CÉLIA PINHEIRO:
“Franssinete: a segunda nota de esclarecimento
enviada pelo TJE foi publicada por mim em respeito ao direito do tribunal de se
manifestar. Mas a reportagem não está errada. O TJE considera incorreto o uso
do termo remuneração, já que os ganhos citados incluem verbas eventuais. No
entanto, a inclusão de verbas eventuais está explícita na matéria. Além disso,
a “eventualidade” de que fala o TJE já deve durar mais de um ano, uma
vez que desde o início do ano passado os ganhos médios dos desembargadores já
estavam acima dos R$ 36 mil por mês. No caso do Paulo Jusssara houve um erro,
sim, prontamente corrigido. O filho de Jussara deixou a Assessoria de Jatene
dois dias antes da publicação da última postagem do blog – aquela em que eu
avisava que ia denunciar os magistrados ao CNJ. Mas o filho de Paulo Jussara
estava lá: eram verdadeiras todas as reportagens anteriores, tanto assim que
ele pediu exoneração. Ou seja, são duas situações completamente diferentes – a
da nota do Paulo Jussara e a da nota do TJE. E eu peço que você coloque esse
meu comentário lá em cima, junto à postagem, como eu faria no meu blog se fosse
com você. Grata pela atenção, Ana Célia Pinheiro.”



NOTA DO BLOG: 
A intenção do post foi destacar o uso do contraditório em um simples esclarecimento, com pedido de publicação, ao invés de uma ação judicial, como alguns políticos fazem, utilizando o Judiciário indevidamente para satisfazer objetivos pessoais e intimidar jornalistas. Em nenhum momento eu disse que as reportagens estavam erradas. Festejei a postura dos magistrados em relação às críticas, sem fazer juízo de valor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *