Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

O desencontro que rege o setor mineral

O Pará tem o segundo maior saldo da balança comercial do País, por causa das exportações no setor de mineração. Mas, por serem desoneradas (não pagam ICMS), o Estado deixa de arrecadar, a fim de estimular a produção e o consumo, em razão da lei Kandir, que prevê mecanismos de compensação pelos quais as perdas dos Estados seriam ressarcidas. Contudo, essa compensação só foi feita, basicamente, nos três primeiros anos, e o Pará já perdeu cerca de R$ 25 bilhões, entre 1996 e 2015, dinheiro suficiente para erradicar o analfabetismo no Estado. O círculo vicioso evidencia a quebra do pacto federativo: o governo desonera e isso é correto, por conta da alta carga tributária no Brasil. Só que, ao invés de a União arcar com os ônus, reduz os repasses aos Estados e municípios, que são os entes mais frágeis em termos de orçamento e que têm as maiores obrigações para atender a população, em uma lógica perversa. Assim, quem paga a conta no final é o distinto cidadão, que deixa de ter serviços públicos de qualidade oferecidos pelo Estado e municípios, pois estes dependem do Fundo de Participação dos Estados.

O FPE foi criado na década de 1960 como um sistema de transferência de recursos do governo federal para as administrações estaduais, formado por 21,5% da arrecadação do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), conforme o estabelecido na Constituição Federal, e cuja divisão entre as regiões deveria adotar o critério distributivo de direcionar maior fatia de recursos a Estados com renda per capita mais baixa. Acontece que a quantia recebida pelo Pará não compensa os prejuízos históricos e os empregos também estão sendo pouco aproveitadas por paraenses. As maiores oportunidades (82%) são para profissionais dos 26 a 35 anos e apenas 25% de paraenses estão empregados nessa faixa. 

Amanhã, às 10h, a Assembleia Legislativa realiza sessão solene, para celebrar o Dia Estadual da Mineração e a Semana da Mineração no Pará e deste modo enfatizar os desafios do setor e a vocação econômica paraense.  A iniciativa é do presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Alepa, deputado Raimundo Santos(PEN), que também preside a Frente Parlamentar de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável da Mineração no Estado do Pará e é o Ouvidor da Casa e autor da lei que instituiu o Dia da Mineração no Pará, declarado como tal pela lei nº 7.603/2012, que remete à data do início da pesquisa mineral em Serra Pelada, e do Decreto Legislativo que estabeleceu a Semana Estadual da Mineração. 
A Frente Parlamentar da Mineração propõe políticas públicas que considerem as especificidades regionais, como remunerar adequadamente os benefícios que a natureza preservada do Pará presta ao Brasil, inclusão de critérios ambientais nos repasses do FPE e criação do FPE-Ecológico. Dar tratamento preferencial às populações amazônicas, historicamente excluídas do processo de desenvolvimento nacional, é outra recomendação. “A percepção sobre a Amazônia, em geral, e sobre o Pará, em especial, é reducionista e bipolar: ou santuário ecológico ou almoxarifado de recursos. A conversão da dívida do Pará em investimentos poderia elevar o nível dos indicadores de educação, de ciência e tecnologia e informação, de saúde e de redução da pobreza a padrões de desigualdade aceitáveis”, sugere o deputado Raimundo Santos, aduzindo que, em consonância com os seus objetivos, a Frente quer fomentar a discussão sobre o setor minerário e a necessidade de investimentos na produção científica, tecnológica e, principalmente, na formação de recursos humanos na área. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *