Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

O cisma político

“Recuo em nome da decência e não do jogo
político rasteiro”.
Eu me recuso a fazer parte de um jogo onde o
nível de disputa passe longe da ética, seja uma política rasteira, aquela onde
tudo é permitido para se chegar no poder, filmagens, gravações
.”
“Abaixo a política rasteira.”
“Não vou permitir que nenhum grupo empresarial
vá pautar o processo eleitoral da Alepa. Não considero ético um jornal advogar
em favor de um partido na eleição, não podemos deixar o processo ser
contaminado por nenhum grupo empresarial ferindo a autonomia da Casa”.
 “Não
posso deixar que os servidores vivam um drama novamente. Essa Casa não deve
mais se permitir passar por isso. Nós não devemos representar um peso para a
sociedade e sim representá-la com dignidade.”
“Em nome da sociedade e dos servidores da
Assembleia vou defender uma nova candidatura da base aliada, de alguém que
possa modernizar a gestão da Alepa, que aja de forma plural com cada um dos
partidos com assento na Casa e respeite seus servidores”.
“Nasci na classe média e após 30 anos de vida
pública continuo na classe média.”
Estas são algumas das emblemáticas frases ditas pelo deputado José Megale(PSDB) hoje, ao
renunciar à candidatura a presidente da Alepa, evidenciando a crise que abriu uma vala entre o PSDB e o PMDB. Um fosso
que vem sendo aprofundado e preenchido com material, digamos, fétido.
Entre os motivos para a sua decisão, Megale elencou
o de preservar sua família da avalanche de ataques promovida por “um grupo empresarial de comunicação que quer
pautar o processo eleitoral no Poder Legislativo
”.
Frisando que não há fato novo relacionado a seu
nome no Ministério Público, Megale lembrou que esteve com o promotor de
justiça Nelson Medrado, por iniciativa própria, em
junho de 2011, para confirmar que de fato assinou cheques questionados quando
era vice-presidente no período de 2003 a 2006. E que fez a sua defesa, na
época, destacando que se tratava de uma rotina da Casa e sua atribuição era
assinar o documento. De novo pôs seus sigilos fiscal e bancário à disposição da
justiça, como fez junto ao MP. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *