Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

O caso Real Class

Há algo de podre no ar. O laudo produzido por professores da UFPA sobre a queda do edifício Real Class foi desautorizado pelo reitor da universidade. O engenheiro calculista, acusado como único culpado, aponta erro nas fundações. O presidente do Crea-PA, em entrevista coletiva, se comporta como dono da construtora, tão enfática sua defesa, inclusive excluindo a empresa de qualquer responsabilidade. E a construtora, que raivosamente dizia que ser leviano qualquer comentário antes do estudo do Crea-PA, continua muda e queda. Por que não se explica?
Como e por que a UFPA não endossa o laudo, se os equipamentos e professores de lá foram contratados formalmente para produzi-lo? A Faculdade de Engenharia e o Instituto de Tecnologia da UFPA têm autonomia para esse tipo de contrato?

E o que dizer da pressa do presidente do Crea-PA em anunciar desde logo que a Real não tem culpa alguma, só o engenheiro calculista, quando é claríssima sua responsabilidade como entidade fiscalizadora que não fiscaliza como deve; da Prefeitura de Belém, via Seurb, que não cumpriu seus deveres; e da empresa, ainda que solidária, pelos serviços que contratou?

Estão subestimando a inteligência de todos?

Vamos aguardar o laudo do IML. Manobras em direção à impunidade serão denunciadas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *