O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

O belo do antigo e do moderno

FOTO: ASCOM POLO JOALHEIRO

Um moderno painel do artista plástico Osmar Pinheiro Jr. convive
harmonicamente com a arquitetura rústica da capela do Espaço São José Liberto,
prédio erguido em 1749 pelos frades capuchos de Nossa Senhora da Piedade para
abrigar o convento de São José, considerado,
hoje, referência histórica, cultural, turística e comercial do patrimônio de
Belém.
Com cerca de dois metros de altura por três
metros de largura, a tela foi pintada em 2000, com técnica mista,
identificada no brilho e nos tons predominantes de prata e lilás, sobre suporte
de tecido. Em 11 de outubro de 2002, a obra foi colocada na capela, na parede
abaixo do altar, perpendicular a um pequeno tablado onde são celebrados cultos ecumênicos e
realizados concertos.
Mas sua instalação em local com grande
trânsito de pessoas causou estragos ao quadro, além da ação dos flashes das
câmeras fotográficas. As pessoas chegam a se encostar na tela. Em consequência,
parte da camada pictórica foi deslocada, com perda da policromia, o que afeta e
reduz o efeito original da técnica utilizada pelo artista.
A umidade natural, intensificada pela
salinidade das paredes de pedra – erguidas com areia de praia -, além dos raios
ultravioleta que atravessam a parede de vidro na fachada da capela, são outros
fatores que afetam diretamente a conservação da obra, na avaliação do
restaurador e artista plástico Sérgio
Mello, diretor do Museu Histórico do Estado do Pará, que estuda as alternativas
para recuperá-la e protegê-la, o que deverá acontecer paralelamente à revitalização
da capela. Um tesouro a mais que o Espaço São José Liberto abriga, juntamente
com as gemas, as joias, o artesanato e toda a efervescência cultural e criativa
dos demais artistas que passam por lá.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *