Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

O assombroso caso do corpo do bebê no HC

O espantoso desaparecimento do corpo de um bebê de 20 dias do necrotério do Hospital de Clínicas Gaspar Vianna não tem precedentes no Pará. A delegada geral adjunta, Cristiane Ferreira, conclamou os servidores do HC e a população em geral para que ajudem a investigação. Quem tiver qualquer informação deve ligar para o Disque Denúncia (181). 

Internado no dia 1º de julho, o bebê, do sexo masculino, nascido em Concórdia do Pará, era portador de Síndrome de Patou, um tipo de cardiopatia congênita grave e com elevado risco de morte, e não podia ser submetido a cirurgia. Na segunda-feira passada, 17, às 00h45, ele não resistiu.
O contato com a família para informar a morte foi ainda durante a madrugada. Pela manhã, a mãe e a tia da criança chegaram ao hospital e em seguida saíram para tomar as providências necessárias para o velório e sepultamento. Nesse ínterim, o corpo do pequenino ficou na câmara frigorífica do necrotério. Mas, ao fim da tarde, quando o carro da funerária chegou, não foi encontrado. E ninguém soube explicar o sumiço. Os servidores do hospital estão em choque. A família, desesperada, obviamente.

A mãe da criança registrou boletim de ocorrência na Seccional de São Brás, que encaminhou inicialmente o caso para a Delegacia da Pedreira, responsável pela circunscrição. Contudo, em razão da peculiaridade da situação, a Divisão de Atendimento ao Adolescente assumiu o caso. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *