Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

Novo personagem polêmico no Judiciário

Com a saída de cena do ministro Joaquim Barbosa do STF, surge um novo personagem, digamos, polêmico, em evidência no Judiciário nacional: o desembargador Bernardo Garcez, novo presidente do TRE-RJ. Para começo de conversa, diz logo que não tenho chifre e nem rabo”. Sem mais delongas. Não dá entrevistas, não gosta de fotos, não vai a festas, ninguém sabe de sua vida particular, só que gosta de armas e caçadas. Nas sessões, proíbe o acesso de assessores dos demais magistrados, e até o consumo de café ou alimentos. Há desembargador famélico levando saco de biscoitos no bolso e dando uma mordida na hora em que o presidente se distrai. 

Tem 65 anos, mas é brigão e chega às vias de fatoEm 2004, ao encontrá-lo na fila do posto do Banerj do Fórum do Rioentão juiz Gabriel Zérifo perguntou se era verdade que Garcez falava mal a seu respeito. Pra que! A resposta foi um soco e uma cabeçada certeira, que quebrou o nariz de Zérifo. Por causa disso foi condenado pelo STJ a pagar uma indenização de R$ 120 mil por danos morais. 

Garcez só permite o uso do elevador privativo do tribunal por desembargador, é admirador do general Francisco Franco, e em março deste ano cancelou ato organizado pela Escola Judiciária Eleitoral sobre os 50 anos do golpe militar, alegando que a Justiça não podia assumir um lado da História, no que ficou conhecido como o “AI-5” do TRE-RJ. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *