A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

A nova regra do aviso prévio

Entra em vigor hoje, com a sua publicação no DOU, a lei que aumenta dos atuais 30 dias para até 90 dias o aviso prévio que o empregador deve conceder ao trabalhador no caso de demissão. A partir do primeiro ano, deverão ser acrescentados três dias para cada ano de serviço prestado na mesma empresa, limitados a 60 (equivalente a 20 anos de trabalho), perfazendo um total de 90 dias.
Entretanto, a Associação Nacional dos Magistrados Trabalhistas elaborou e entregou ao senador Paulo Paim (PT-RS) o anteprojeto do PLC 112/089, que tramita no Senado Federal, estipulando prazos para o aviso conforme o tempo de serviço do empregado na empresa, podendo chegar a 180 dias corridos, se o trabalhador for contratado há mais de 15 anos.
A aplicação retroativa da nova lei é um ponto controverso. O desembargador Vicente Malheiros da Fonseca, ex-presidente e decano do TRT da 8ª Região, explica que já há decisões judiciais que concedem aviso prévio mais amplo com fundamento direto na Constituição e com base na analogia (aplicação de regras semelhantes ao caso), o que pode continuar a acontecer aos casos anteriores à lei.
Ou seja: não se aplica a situações anteriores (efeito retroativo). Mas haverá casos resolvidos pelas regras do direito intertemporal. Por exemplo: quem está cumprindo aviso prévio na data da publicação da lei deverá ser beneficiado pela nova legislação, cuja aplicação é imediata. Assim ocorreu com o salário-maternidade e com as férias.
Aqui no Pará e Amapá, o TRT 8ª Região já vem concedendo, em decisões pioneiras, desde 1988, o aviso prévio proporcional nos julgamentos de dissídios coletivos.
Detalhe relevante: a nova lei sobre o aviso prévio trata do tempo de serviço “na mesma empresa”, expressão que admite interpretação em caso de tempo de serviço prestado para empresas do mesmo “grupo econômico” (art. 2º, § 2º, da CLT); e, ainda, a hipótese de contagem do tempo de serviço anterior em caso de readmissão na mesma empresa.
Há dúvidas se o aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, de até 90 dias, também se aplica ao caso do empregado que pede demissão do emprego e tenha que pré-avisar o empregador, uma vez que se trata de regulamentação, por lei ordinária, do art. 7º, XXI, da CF, que trata dos direitos dos trabalhadores. O desembargador acredita que prevalecerá a tese do pré-aviso em favor da empresa, no pedido de demissão, uma vez que o contrato de trabalho é bilateral e sinalagmático (há reciprocidade entre as obrigações das partes). O empregador pode descontar o valor do aviso prévio devido pelo empregado ou dispensar o encargo.
Os demais tópicos da CLT, quanto ao aviso prévio, continuam em vigor, inclusive a hipótese de seu cabimento na chamada rescisão indireta do contrato (art. 483/CLT), realça o desembargador Vicente Fonseca.
Importante: a nova lei se aplica ao trabalhador doméstico. Embora tenha regulamentação legal própria, o art. 7º, parágrafo único, da Constituição Federal, lhe assegura esse direito, dentre outros.
Também se aplica ao trabalhador rural, por força do art. 4º do Decreto nº 73.727, de 12.02.1974, que regulamenta a Lei nº 5.889, de 08.06.1973, salvo quanto ao art. 488, que adota sistema um pouco diferente para o rurícola quanto ao aviso prévio sem redução de jornada de trabalho (art. 15 da Lei nº 5.889/1973).
Mais: a nova lei não se aplica ao servidor público, submetido a regime estatutário próprio, diverso do regime contratual, previsto na CLT, até porque o art. 39, § 3º, da CF, não se reporta a esse direito em favor dos ocupantes de cargos públicos.
Veja no quadro a simulação da aplicação da nova lei.


Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *