O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Nota do jornalista Lúcio Flávio Pinto

“Depositei ontem em conta do poder judiciário R$ 25.116,75. Esse
dinheiro, obtido através de coleta pública nacional pela internet, se destina
aos sucessores e herdeiros do empresário Cecílio do Rego Almeida. Corresponde à
indenização que a justiça do Pará me obrigou a pagar ao dono de uma das maiores
empreiteiras do Brasil, a Construtora C. R. Almeida, com sede no Paraná.
Foi o desfecho de uma ação que ele iniciou em 2000.
Alegou ofensa à sua honra pessoal por eu o ter chamado de pirata fundiário, em
artigo publicado no meu Jornal Pessoal.
Na época, cobrou R$ 4 mil como reparação pela sua honra ofendida. O valor
final, de R$ 25 mil, decorreu da correção monetária e dos acréscimos do
processo.
Eu podia continuar a recorrer, como fiz ao longo de mais
de 10 anos. Mas achei que o cinismo, a injustiça e o propósito deliberado de me
atingir exigiam uma resposta mais contundente, à altura do surrealismo da
situação. Decidi não recorrer mais. E fiz algo inédito nos anais forenses:
compareci espontaneamente ao foro e pedi para pagar a indenização.
O juiz que me condenou, Amílcar Guimarães, atuou como
substituto na vara pela qual o processo tramitava, em 2005, por um único dia,
enquanto a titular viajava para fazer um curso de três dias no Rio de Janeiro.
Sua sentença fraudou a data para poder ser recebida, quando ele já não podia
mais atuar no processo. Não consegui anular essa decisão, apesar de todos os
recursos que utilizei. Não consegui sequer a punição do juiz fraudador, A
sentença foi mantida no tribunal.
A história já é conhecida e a relembro num artigo que
escrevi para minha coluna, 
Cartas
da Amazônia
, no portal do Yahoo!. Através dela, convoco
novamente os amigos e simpatizantes, que aderiram à “vaquinha” para a coleta
dos fundos para a indenização, a participarem de uma nova rodada, agora para as
manifestações daqueles que também acham que a situação merece uma resposta.
Este é meu convite: vamos mostrar à justiça do Pará que se ela reprime a
verdade, nós a exaltamos. E estamos dispostos a pagar qualquer preço para
fazê-la prevalecer sobre o absurdo do poder absoluto.
Belém, 13 de março de 2013
LÚCIO FLÁVIO PINTO” 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *