A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Nota do FORT Xingu

O Fórum Regional de Desenvolvimento Econômico e Socioambiental da Transamazônica e Xingu (FORT Xingu), em virtude da liberação da Licença de Instalação Específica para a construção dos canteiros de obras da usina hidrelétrica de Belo Monte, licença esta expedida no dia 26 de janeiro de 2011 pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), vem a público se manifestar da seguinte forma:
1 – Comemoramos, junto com a sociedade civil da região representada pelas mais de 170 entidades que compreendem este fórum, a liberação da Licença de Instalação específica concedida pelo Ibama à Norte Energia S/A (NESA), por entender que este é o resultado de anos de luta em defesa de um empreendimento considerado vital para o Brasil e grande oportunidade de desenvolvimento sustentável para a região da Transamazônica e Xingu.
2 – Parabenizamos o IBAMA pela decisão e por ter ouvido exaustivamente a sociedade regional antes da liberação desta licença, através de diversas reuniões e audiências que demonstram grande compromisso com a região e capacidade de diálogo para perceber as necessidades e anseios da população regional.
3 – Destacamos como de suma importância a liberação desta licença neste momento, permitindo à empresa dar início às obras somente do seu canteiro de obras e criando um ambiente de segurança jurídica que permite a aceleração das obras e trabalhos antecipatórios e compensatórios, além da efetivação das condicionantes previstas para a liberação do licenciamento definitivo.
4 – Consideramos de suma importância que, ao liberar a Licença de Instalação parcial, o IBAMA tenha mantido a necessidade da execução de medidas condicionantes antecipatórias à construção da usina em si, essenciais para preparar a região do empreendimento para os impactos negativos e também para otimizar os impactos positivos.
5 – Ressaltamos a necessidade de que as condicionantes relacionadas pelo IBAMA na Licença Prévia e agora ratificadas nesta Licença Parcial sejam cumpridas pela Norte Energia para que a mesma possa obter a Licença de Instalação definitiva e construir a usina de Belo Monte seguindo todos os critérios de minimização de impactos e benefícios para a população do Xingu e da Transamazônica.
6 – Ratificamos o nosso posicionamento favorável à construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, sonho que há anos vem sendo acalentado pela sociedade regional, dentro de um contexto de inserção e desenvolvimento regional sustentável que farão deste projeto modelo de grande empreendimento energético com desenvolvimento socioeconômico e preservação ambiental.
7 – Consideramos de suma importância que a Norte Energia, governos municipais, governo do Estado do Pará e Governo Federal estejam empenhados em tirar do papel o Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu (PDRS) instrumento vital para que a região possa superar seus gargalos e revolver problemas como a regularização fundiária, licenciamento ambiental  e a falta de infraestrutura.
8 – Consideramos fundamental a aceleração das obras de pavimentação da Rodovia Transamazônica, obra esta tida pela própria sociedade da região como uma das condições primordiais para a construção de Belo Monte;
9 – Lamentamos profundamente a judicialização da questão envolvendo a construção de Belo Monte em nome da sociedade regional, estratégia esta que tem se mostrado altamente ineficaz, ineficiente e improdutiva e que não tem contribuído com a solução dos problemas das centenas de milhares de pessoas que moram na região.
10 – Convidamos a todos os que realmente se interessem em ver o desenvolvimento sustentável da região da Transamazônica e Xingu a fazer parte do diálogo e da busca pelas soluções de nossos problemas e em fazer de Belo Monte um projeto que seja sinônimo de sustentabilidade e de melhoria de qualidade de vida da nossa população.
Altamira, 27 de janeiro de 2011.
Fort Xingu – Unidos somos mais forte.” 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *