O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Nota de Repúdio do Sinjor-PA

“O Sindicato dos
Jornalistas Profissionais no Estado do Pará e a Federação Nacional dos
Jornalistas vêm a público repudiar, veementemente, a forma violenta e anti-democrática
com que o fotógrafo da Reuters, Lunaé Parracho, o jornalista do
Conselho Indigenista Missionário, Ruy Sposati, e o correspondente da Radio
France Internationale (RFI) no Brasil, François Cardona, foram
retirados do canteiro de obras no Sítio Belo Monte, localizado no município de
Vitória do Xingu, a 60 Km de Altamira, em cumprimento a uma ordem judicial
expedida dia 03 de maio deste ano, que determinou a retirada de pessoas
não indígenas do local.
Cumprindo a
decisão, e como não havia pessoas não indígenas no canteiro de obras ligadas ao
movimento de ocupação, o oficial de Justiça, acompanhado de força
policial (Força Nacional e PM/PA) e de representante da empresa Norte
Energia, resolveu impedir os profissionais de jornalismo que estavam
atuando na cobertura do fato, apesar da referida decisão ser direcionada às
partes do processo.
A gritante
inversão de valores, que condena quem se dispõe a prestar o serviço da denúncia
de diversos problemas vividos pela população daquela região à sociedade
paraense e brasileira, não é apenas mais um dos capítulos da história, onde
judiciário, policiais e empresários, por puro desconhecimento, desrespeitam os
profissionais de jornalismo no nosso Estado. É sim um fato lamentável que
depõe, lamentavelmente, contra a empresa e o judiciário paraense, órgão que
deveria agir como promotor da Justiça e não o seu contrário.

Diante de tal episódio, que demonstra claramente uma brutal agressão
ao exercício profissional, o Sindicato acredita que atitudes como esta
extrapolam o respeito e atingem  a liberdade de expressão e de imprensa em
nosso Estado, tendência desgraçadamente verificada em vários outros estados,
vitimando outros jornalistas e jornais.

O Sindicato não permitirá que fatos como estes intimidem a categoria dos
jornalistas como um todo, a despeito de vivermos formalmente dentro de um
regime democrático de direito, em que a liberdade expressão acha-se consagrada
na Constituição.

Em vista disso, o Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará não medirá
esforços, dentro do que lhe é possível, no sentido de garantir o livre
exercício profissional e o respeito  aos profissionais de jornalismo. Ao
mesmo tempo, motivar que a imprensa em nosso estado não se cale diante das
violações de prerrogativas dos jornalistas.
Belém, 06 de maio
de 2013.
Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará –
Sinjor-PA
Federação Nacional dos Jornalistas – Fenaj”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *