A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Nota da Chapa 2 ao Sinjor-PA


“A #Chapa2, citada na postagem da jornalista Franssinete Florenzano, vem a público esclarecer que: 

– Não temos como nos pronunciar sobre “palavras e gestos injuriosos” que a jornalista Franssinete Florenzano menciona na postagem, porque ela não cita nem as palavras, nem os gestos, nem onde, nem como, nem quando, nem por quem tais ofensas foram praticadas. 

– Não somos autores das pichações que ilustram a postagem da jornalista. 

– Queremos crer que, como a campanha sindical dos jornalistas está sendo muito comentada na cidade e nas redes sociais, um simpatizante, ou mais de um, de nossas ideias e propostas fez as pichações, mas não podemos nos responsabilizar por isso 

– É uma situação idêntica aos comentários anônimos que foram postados no blog de outro jornalista paraense, Hiroshi Bogéa, com ameaças graves, assinados como se fosse alguém da Chapa 1. Se o comentário é anônimo, não pode ser atribuído à Chapa 1 e ponto final. 

– Entendemos que pichações são uma forma legítima de se comunicar, afinal, escrever e pintar em muros e paredes tem sido uma forma de comunicação da humanidade desde tempos imemoriais, mas não faria o menor sentido usar essa forma de comunicação para divulgação da chapa 

– Somos contra qualquer tentativa de criminalizar as manifestações artísticas e intervenções urbanas, assim como somos contra tentativas tolas de desvirtuar o foco do debate sobre a luta sindical dos jornalistas paraenses, que exige toda nossa seriedade e compromisso 

– Entendemos que a prática jornalística demanda apuração prévia e estamos à disposição para responder a quaisquer dúvidas da jornalista Franssinete Florenzano e de quem mais quiser perguntar.
 #MudançaJá
#SindicatoépraLutar”

NOTA DO BLOG: a nota, assim como todos os comentários já feitos, só corroboram com o sentido da postagem: a campanha para a eleição da diretoria do Sinjor-PA lançou o Jornalismo na lama. É pena.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *