Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Nota da Chapa 2 ao Sinjor-PA


“A #Chapa2, citada na postagem da jornalista Franssinete Florenzano, vem a público esclarecer que: 

– Não temos como nos pronunciar sobre “palavras e gestos injuriosos” que a jornalista Franssinete Florenzano menciona na postagem, porque ela não cita nem as palavras, nem os gestos, nem onde, nem como, nem quando, nem por quem tais ofensas foram praticadas. 

– Não somos autores das pichações que ilustram a postagem da jornalista. 

– Queremos crer que, como a campanha sindical dos jornalistas está sendo muito comentada na cidade e nas redes sociais, um simpatizante, ou mais de um, de nossas ideias e propostas fez as pichações, mas não podemos nos responsabilizar por isso 

– É uma situação idêntica aos comentários anônimos que foram postados no blog de outro jornalista paraense, Hiroshi Bogéa, com ameaças graves, assinados como se fosse alguém da Chapa 1. Se o comentário é anônimo, não pode ser atribuído à Chapa 1 e ponto final. 

– Entendemos que pichações são uma forma legítima de se comunicar, afinal, escrever e pintar em muros e paredes tem sido uma forma de comunicação da humanidade desde tempos imemoriais, mas não faria o menor sentido usar essa forma de comunicação para divulgação da chapa 

– Somos contra qualquer tentativa de criminalizar as manifestações artísticas e intervenções urbanas, assim como somos contra tentativas tolas de desvirtuar o foco do debate sobre a luta sindical dos jornalistas paraenses, que exige toda nossa seriedade e compromisso 

– Entendemos que a prática jornalística demanda apuração prévia e estamos à disposição para responder a quaisquer dúvidas da jornalista Franssinete Florenzano e de quem mais quiser perguntar.
 #MudançaJá
#SindicatoépraLutar”

NOTA DO BLOG: a nota, assim como todos os comentários já feitos, só corroboram com o sentido da postagem: a campanha para a eleição da diretoria do Sinjor-PA lançou o Jornalismo na lama. É pena.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *