O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

No aguardo da MP dos Portos

O texto da Medida Provisória dos Portos aprovado
no Congresso e que vai à sanção presidencial incluiu a possibilidade das
empresas inadimplentes que exploram portos via concessão, arrendamento e
autorização utilizarem a arbitragem para discutir seus débitos. A intenção é
ter uma saída extrajudicial para solucionar conflitos mais rapidamente, porque
a falta de pagamento impossibilita a celebração ou a prorrogação dos contratos
vigentes.
A arbitragem não estava no texto
original da MP. Passou a constar do relatório do senador Eduardo Braga
(PMDB-AM), na comissão mista de deputados e senadores. No parecer que deu
origem ao projeto de lei de conversão foi incluído, também, que a proibição
para empresas participarem de novos contratos, em caso de inadimplência, depende
“de decisão definitiva, em processo administrativo”.




Na comissão especial, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ)
apresentou um destaque pedindo a supressão do termo “em processo
administrativo”, aumentando, na prática, as chances de empresas
inadimplentes em âmbito administrativo de firmarem contratos ou prorrogá-los. A
supressão foi acatada e aprovada também pelo Congresso.
Agora, é esperar para saber se será
sancionada ou vetada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *