Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

Ninguém sossega em Breves

Vejam só: o “Espaço Nega Caetano”, há três anos, não deixava a vizinhança dormir em Breves, no arquipélago do Marajó, por causa do alto volume do som durante as festas. No início aos finais de semana, mas ultimamente a bagaceira era praticamente diária.

O promotor de justiça de Afuá, Márcio de Almeida Farias, e a 2ª Promotoria de Justiça de Breves receberam incontáveis denúncias dos moradores locais. Era um tal de “Bota Fora” universitário, e até aniversários de crianças que acabavam se tornando festas de adultos com o chegar das altas horas, adentrando pela madrugada, até depois das sete horas da matina. 

O MP expediu ofícios à Delegacia de Meio Ambiente de Breves, requisitando a abertura de inquérito policial para apurar crime ambiental; ao Centro de Perícias Renato Chaves, solicitando perícia para constatar poluição sonora; ao Comando do 11º Grupamento de Bombeiro Militar de Breves, para vistoria no salão de eventos; à Divisão de Tributos da Prefeitura de Breves e ao secretário municipal de Meio-Ambiente, pedindo informação sobre o alvará. 

Foi então descoberto que “Nega Caetano Recepção” nunca teve licença para localização e funcionamento.

Aí, o MP ajuizou ação civil pública em razão da poluição sonora e perturbação do sossego público, e requereu a interdição do lugar, sob pena de multa diária de R$2 mil e acusação por crime de desobediência, até que o estabelecimento obtenha alvará e faça isolamento acústico, bem como respeite os horários previstos na legislação ambiental e urbanística. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *