0


Até o próximo 28 de julho, a exposição Nhe’ẽ Porã: Memória e Transformação, exposição sobre línguas indígenas do Brasil, fica em cartaz no Centro de Exposições Eduardo Galvão no Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi. Realização do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, a curadoria é da artista indígena e mestre em Direitos Humanos Daiara Tukano e a cocuradoria é da antropóloga Majoí Gongora.

Através de objetos etnográficos, arqueológicos, instalações audiovisuais e obras de arte, a exposição revela outros pontos de vista sobre os territórios materiais e imateriais, histórias, memórias e identidades desses povos, trazendo à tona suas trajetórias de luta e resistência, assim como os cantos e encantos de suas culturas.    

O MPEG é correalizador e contribuiu com acervo linguístico, além dos objetos que integram as coleções de arqueologia e etnografia, que concentra acervos de referência sobre a Amazônia de importância mundial: botoques – tipo de adorno usado para alargar o lábio inferior; e tembetás – peças de quartzo colocadas sob os lábios. Ambos são objetos que evidenciam habilidades valorizadas entre muitos povos: a oratória e a escuta. Também foi incluído na mostra um raro banco esculpido em quartzo que, na cosmovisão tukano, está diretamente associado à avó do universo, Yepário. 

Memória afetiva de todo parauara, o Museu Goeldi há um século e meio desenvolve trabalhos de pesquisa, divulgação e preservação dos modos de fazer dos povos indígenas. Produto do projeto Replicando o Passado, em parceria com ceramistas de Icoaraci, também está exibida a réplica de uma urna funerária marajoara, elaborada originalmente por indígenas que habitaram a região amazônica desde aproximadamente o ano 500.   

“Língua é pensamento, língua é espírito, língua é uma forma de ver o mundo e apreciar a vida”, assim a curadora Daiara Tukano descreve o ponto de partida de Nhe’ẽ Porã: Memória e Transformação. A imersão começa no próprio nome da mostra, que vem da língua Guarani Mbya: nhe’ẽ significa espírito, sopro, vida, palavra, fala; e porã quer dizer belo, bom. Juntos, os dois vocábulos significam “belas palavras”, “boas palavras”, palavras sagradas que dão vida à experiência humana na terra.    

A mostra tem uma lógica circular guiada por um rio de palavras grafadas em diversas línguas indígenas que atravessa todo o espaço expositivo, conectando as salas em um ciclo contínuo. Ao chegar, o visitante depara com uma floresta de línguas indígenas representando a grande diversidade no Brasil. E ali pode conhecer a sonoridade de várias delas.    

A sala ao lado, “Língua é Memória”, traz à tona históricos de contato, violência e conflito decorrentes da invasão dos territórios indígenas desde o século 16 até a contemporaneidade, problematizando o processo colonial que se autodeclara “civilizatório”. Neste ambiente, outras histórias são contadas por meio de objetos arqueológicos, obras de artistas indígenas, registros documentais, recursos audiovisuais, multimídia e mapas criados especialmente para a exposição com dados sobre a distribuição da população e das línguas indígenas pelo território brasileiro.  

As transformações das línguas indígenas são tratadas em conteúdos que exploram a resiliência, a riqueza e a multiplicidade das formas de expressão dos povos indígenas. “Colocamos em debate o fato de que somos descritos como povos ágrafos, sem escrita, mas nossas pinturas também são escritas – só que não alfabéticas”, explica Daiara Tukano.    

Na terceira sala, a pluralidade das ações e criações indígenas contemporâneas estão distribuídas em nichos temáticos, a partir de seu protagonismo em diferentes espaços da sociedade, a exemplo de sua atuação no ensino, na pesquisa e nas linguagens artísticas. No espaço é possível assistir a cenas da Marcha dos Povos Indígenas, sob direção do cineasta Kamikia Kisédjê.  

Ao acompanhar o percurso do rio, os visitantes alcançam um quarto ambiente, noturno, uma atmosfera onírica introspectiva que permite o contato com a força presente nos cantos de mestres e mestras das belas palavras. O rio que percorria o chão da exposição agora sobe a parede como uma grande cobra até se transformar em nuvens de palavras – preparando a chuva que voltará a correr sobre o próprio rio, dando continuidade ao ciclo.   

• Com informações do Museu da Língua Portuguesa

Igor Normando por Patrick Paraense

Anterior

Paraense disputa título no Karate Combat em Cancun

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *