Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Não à banalização da violência!



A foto acima, amplamente divulgada nas redes sociais, dá a dimensão dos momentos de terror vividos pelo jornalista Diogo Puget, ontem à noitinha. Editor e comentarista do SBT Esporte Pará e repórter do canal de TV Esporte Interativo, ele foi brincar em um bloco de carnaval, no bairro da Cidade Velha, quando bandidos armados o abordaram, atraídos por um cordão de ouro que usava no pescoço, e além de levarem seus pertences esfaquearam repetidamente seus braços e costas, com requintes de perversidade. Puget foi socorrido no hospital da Beneficente Portuguesa, onde levou 150 pontos nos ferimentos e passa bem, já em sua residência. 


Trata-se de mais um episódio emblemático da violência que grassa em Belém. Ninguém pode andar livremente pela cidade do medo, quem se arrisca a um mero passeio pode perder a vida em um assalto. É preciso reagir e dar um basta a esta situação trágica. Todos os dias anônimos são roubados, humilhados, feridos e mortos em meio à selvageria reinante. A sociedade não pode perder a capacidade de se indignar e agir. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *