Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Na contramão da História

A AHIMOR – Administração das Hidrovias da Amazônia Oriental – chegou a tal ponto de inoperância que é intenção do Ministério dos Transportes encerrar o convênio que vinculou todas as administrações hidroviárias do País à Cia. Docas do Maranhão, voltar com elas à sua órbita e – acreditem, reduzi-las a mero departamento dos escritórios estaduais do Dnit, que é eminentemente rodoviário.
Ou seja, o Pará, que não tem rodovias – 99% delas estão destruídas ou sempre foram intrafegáveis, como a Transamazônica e a Santarém/Cuiabá – e justamente agora que as eclusas vão finalmente ser concluídas, depois de quase 30 anos, leva mais um golpe, no auge da luta para corrigir a histórica distorção dos modais e tirar do papel os projetos das hidrovias do Tapajós/Teles Pires/Juruena, Tocantins/Araguaia, Guamá/Capim e Marajó – querem fazer da AHIMOR um apêndice do órgão rodoviário que, aliás, também é inoperante.
É mais uma guinada na contramão da História, golpeando de morte uma região onde os rios são as estradas naturais e a maioria absoluta da população é embarcada como gado, em pranchas, sem o mínimo respeito à dignidade humana, sem falar nos prejuízos ambientais, ao trânsito e à vida das pessoas, com o aumento das carretas trafegando no centro da cidade em direção ao porto. Será possível que ninguém vai fazer algo para evitar tamanha aberração?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *