Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Mulheres negras em luta por justiça ambiental e racial

Com o tema “30 anos de luta, nossa marcha continua e se renova: mulheres negras amazônidas em luta por justiça ambiental e racial”, a 7ª edição da Marcha das Mulheres Negras de Belém movimentou a Av. Presidente Vargas, a partir da Escadinha do Cais do Porto, ao anoitecer, até a Praça da República, onde houve um ato público no Quilombo da República.

O evento, que também é alusivo ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, comemorado todo dia 25 de julho, contou com apoio da Prefeitura de Belém e lembrou os trinta anos do primeiro encontro das mulheres negras, ocorrido na República Dominicana, em 1992.

Lideranças femininas de religiões de matrizes africanas fizeram bênçãos especiais na saída do cortejo e no Quilombo da República, considerado local sagrado para a população negra, pois ali eram enterradas pessoas escravizadas no período colonial.

As mulheres em marcha pautaram as causas sociais durante a caminhada. “Este é o momento em que buscamos chamar a atenção da sociedade para um dos maiores grupos demográficos do Brasil, que muitas das vezes é invisibilizado. Mostrar que necessitamos de políticas públicas específicas para nos atender”, explicou a representante da organização do evento, Flávia Ribeiro.

“Hoje nós mulheres viemos mostrar nossos rostos e falar por nós mesmas. A gente sente a falta de políticas públicas para nós, então viemos hoje mostrar nossa voz”, afirmou a ativista quilombola Érica Monteiro.

Representando a Prefeitura de Belém no ato, a coordenadora da Mulher de Belém, Emanuelle Raiol, destacou o apoio da PMB ao movimento. “A Prefeitura de Belém, uma gestão popular, entende a pauta das mulheres como algo prioritário. Neste evento, o protagonismo é dos movimentos sociais”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Justa e merecida manifestação em prol de uma causa que a muito já merece uma atenção maior de todos os segmentos da sociedade e em especial do poder público nas esferas municipal, estadual e federal como forma de inclusão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *