A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

MPPA requer celeridade no julgamento de Hélio Gueiros Neto

A 4ª Promotoria de Violência Doméstica e Familiar contra a mulher de Belém se manifestou pelo não provimento do recurso em sentido estrito interposto por Hélio Gueiros Neto, e endossou a pronúncia (quando o juiz, convencido da materialidade do crime e de indícios suficientes de autoria, admite a imputação e despacha para julgamento perante o Tribunal do Júri) feita em dezembro de 2020, pelo feminicídio de sua esposa, Renata Cardim, no ano de 2015. Agora o Tribunal de Justiça do Pará vai apreciar o caso.

Hélio Gueiros Neto foi acusado pelo Ministério Público do Estado do Pará de feminicídio qualificado decorrente de violência doméstica e familiar e menosprezo à condição de mulher, combinado com o crime de fraude processual, em concurso material de crimes. No dia 4 de maio de 2021 o acusado interpôs recurso, e suas razões em 22 de julho, com base em fatos e fundamentos já alegados, discutidos e julgados no processo, com o objetivo, de acordo com o MPPA, de procrastinar o julgamento perante o Júri.

De acordo com o MPPA, no dia 27 de maio de 2015, por volta das 2h45, no Edifício Rio Nilo, localizado na Travessa Dom Romualdo de Seixas, Hélio Gueiros Neto sufocou a vítima quando esta se encontrava deitada em sua cama, tendo sido sedada e depois asfixiada. Segundo apurado pelas investigações, a autoria do crime é comprovada por uma série de circunstâncias que denotam que o acusado teve a vontade livre e consciência de matar sua esposa, como única solução da incompatibilidade da vida em comum.

Em sua defesa, o acusado requereu nulidade do exame de exumação e alegou inexistência de prova de materialidade e ausência de requisitos para a pronúncia. No mérito, argumentou que a vítima morreu por causas naturais. Porém, para o MPPA a autoria e materialidade estão provadas, em face dos laudos de exame de corpo de delito e demais investigações e depoimentos de testemunhas constantes nos autos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *