Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), a professora doutora Leila Márcia Elias participou recentemente do Congresso Internacional de Contabilidade da Universidade de São Paulo. Como parte da programação do Núcleo de Contabilidade e Meio Ambiente da USP, que…

Shäron Moalem, médico que ficou conhecido mundialmente por prever no começo da pandemia da Covid-19 que mais homens morreriam vítimas do vírus do que mulheres, diz que o sexo feminino é mais forte que o masculino quanto à sobrevivência, assim…

No período de 10 a 28 de agosto, o navio-hospital-escola Abaré começa nova expedição, oferecendo a 75 comunidades do rio Tapajós nos municípios de Santarém, Aveiro e Belterra serviços de atenção básica à saúde: consultas médicas, odontológicas e de enfermagem,…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil ativou nesta quarta-feira (4), o Grupo de Embarcações de Operações Ribeirinhas do Norte uma nova Organização Militar em Belém (PA), com propósito de contribuir para a aplicação do Poder Naval na área…

MPF vai recorrer da absolvição de Helder

O Ministério Público Eleitoral já anunciou que vai recorrer da decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Pará que, hoje, por cinco votos a um, considerou improcedentes as acusações de abuso de poder econômico nas eleições de 2014 contra Helder Barbalho, Joaquim de Lira Maia, Jader Barbalho Filho e Camilo Centeno.
O voto do relator do processo, desembargador Roberto Gonçalves de Moura, favorável à tese do MP Eleitoral, excluindo apenas Lira Maia das acusações, foi rechaçado pelos juízes eleitorais Altemar Paes, Amílcar Guimarães, Artur Pinheiro Chaves, Alexandre Buchacra e Luzimara Costa Moura Carvalho. 
 

Helder foi acusado de utilizar as empresas de comunicação pertencentes à sua família em benefício próprio e de seu então parceiro de chapa.
O MPF pediu a condenação dos candidatos e também dos diretores das emissoras do Sistema Norte de Comunicação, Diário do Pará, Rádio Clube do Pará, DOL, Sistema Clube do Pará de Comunicação, Intelcom, Telecomp, Carajás FM e RBA, além da inelegibilidade por oito anos, a contar de 2014. 

Em sua defesa, Helder alegou que a participação societária no grupo não lhe dá poderes de interferir no conteúdo da programação veiculada. Já Camilo Centeno e Jader Barbalho Filho alegaram que não houve qualquer mudança na rotina dos trabalhos das emissoras, e que até a entrevista concedida pelo senador Jader Barbalho no dia das eleições, no horário matinal da Rádio Clube, estaria revestida de legalidade. 

O caso agora vai ao TSE.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *