Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

MPF, PF e CGU apertam o cerco a prefeitos

Já são 53 os denunciados pelo Ministério Público Federal por envolvimento no esquema de desvio de recursos interrompido em 2010 no Pará pela operação Vide Bula, dentre eles seis ex-prefeitos, que desviaram pelo menos R$ 3,5 milhões destinados à compra de medicamentos em Bujaru, Magalhães Barata, São Domingos do Capim, Santo Antônio do Tauá, Terra Alta e ColaresDos denunciados, só não estão sob sigilo os nomes de Maria Antônia da Silva Costa, ex-prefeita de Bujaru, e de Aroldo do Nascimento Pinto, ex-prefeito de Terra Alta. Os demais são 11 empresários – alguns deles réus em até quatro ações –, 13 ex-secretários municipais e 14 ex-integrantes de  comissões de licitação das prefeituras, além de servidores que ocupavam outras funções nos municípios e até parente de servidor. 

Assinada pelo procurador da República Alan Mansur, a ação mais recente denuncia os crimes praticados em Colares, onde se apurou desvio de R$ 496 mil que deveriam ter sido investidos no programa Farmácia Básica. 

Em novembro de 2010, a Polícia Federal, a Controladoria-Geral da União (CGU) e o MPF desmantelaram, durante a operação Vide Bula,  um grupo de empresas fornecedoras de medicamentos que, em conluio com administrações  municipais, negociavam medicamentos sem qualquer procedimento licitatório, utilizando, inclusive, quatro empresas fantasmas de Castanhal.
As investigações revelaram, entre outras irregularidades, a prática de sobrepreço e superfaturamento, pagamento por medicamentos não fornecidos, uso de notas fiscais frias e o conluio entre empresas licitantes, além de outras fraudes. 
Por irregularidades no uso de recursos da saúde, educação, moradia, agricultura familiar e assistência social, os ex-prefeitos denunciados já respondem a outras 24 ações judiciais.  Pobres municípios!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *