Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

MPF diz não a UHE-Cupari

FOTO: EMI OKADA PEREIRA
O Ministério Público Federal recomendou à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade a suspensão do licenciamento do complexo hidrelétrico dos braços leste e oeste do rio Cupari, em Rurópolis, por descumprimento à legislação, e também que adie a audiência pública prevista para esta quarta-feira. 

Conforme o MPF, comunidades impactadas não foram ouvidas, os estudos ambientais são precários, órgãos públicos ficaram sem respostas a pedidos e informações, além de haver decisão da Justiça Federal que alerta para a necessidade de que os estudos ambientais relativos a projetos hidrelétricos na região levem em conta os impactos conjuntos de todas as hidrelétricas. 

As pequenas centrais hidrelétricas previstas para o rio Cupari abrangem áreas onde, além de comunidades tradicionais, existem projetos de desenvolvimento sustentável do Incra e florestas nacionais. Em 2012 a Justiça Federal impediu a concessão de licença para usinas do complexo hidrelétrico do Tapajós que não tinham avaliado os impactos cumulativos na sub-bacia dos rios Jamanxim e Tapajós – do qual o rio Cupari é um dos afluentes –, assim com a oitiva dos povos indígenas afetados. 

Os estudos ambientais admitem modificações nas características químicas da água decorrentes do barramento, tais como o aumento na concentração de nutrientes, tendo como consequência alterações nos padrões de estrutura, composição e diversidade das comunidades biológicas, redução temporária da vazão do rio Cupari a jusante dos barramentos e modificações das comunidades de peixes em virtude das alterações do fluxo da água. Outro fator é a interferência das barragens nos processos migratórios de determinadas espécies. 

Cliquem aqui para acessar o inteiro teor da recomendação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *