Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

MPF denuncia União por descaso com Provita

O Ministério Público Federal informou à Justiça Federal que desde janeiro deste o governo brasileiro repassou só uma mísera parcela mensal ao Estado do Pará dos recursos necessários para a manutenção do Provita, o Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas de Morte. O atraso põe em risco as vidas de 24 pessoas que estão incluídas no Programa. 
Depois de muitos problemas de financiamento no Provita, a União assinou convênio em dezembro do ano passado, garantindo o repasse de verbas federais ao Pará. Mesmo assim, desde então, apenas a parcela de março de 2016 foi transferida. O MPF apurou que a União não fez sequer previsão de repasses mensais, o que impede os administradores do Provita de fazerem qualquer programação financeira. Além das 24 pessoas já incluídas, outros 19 casos aguardam inclusão no programa.
O MPF já havia comunicado os problemas à Justiça Federal, em ação ajuizada em 2015, em que o procurador da República Patrick Colares pediu o bloqueio de recursos da União, preferencialmente referentes a propaganda, festividades, solenidades ou eventos esportivos, a fim de assegurar o repasse ao Provita. 

O processo corre em segredo de Justiça para evitar mais riscos às testemunhas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *