Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

MPF anuncia resultado de auditorias

Os procuradores da República Ricardo Augusto Negrini e Daniel Azeredo Avelino anunciaram hoje o resultado de auditorias do Ministério Público Federal em 38 unidades de 26 empresas clientes da agropecuária paraense, a maioria frigoríficos responsáveis por 74% da capacidade de abate de gado. A medida é fruto de acordos assinados desde 2009 entre as empresas, o MPF e o governo do Pará – via Programa Municípios Verdes – com apoio da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec).

Foi apontada a necessidade de criação de mecanismos para evitar a compra do gado que nasce em áreas ilegais mas que é revendido por produtores rurais legalizados – a chamada “lavagem” ou “esquentamento”. 

Foram auditadas Agroexport Moju, Agroexport Tailândia, Aliança
Ativo Alimentos, BR Comércio de Carnes, Casfrisa, Coagro PA, Couro do Norte, Cruzeiro do Sul, Durlicouros, Flávio DR Nobre, ForteF, Frig Altamira, Frig Ribeiro, Frig Ribeiro (Santarém), Frigol, G&O Comércio, JBS Alta Floresta, JBS Araguaína, JBS Colider, JBS Marabá, JBS Redenção, JBS Santana do Araguaia, JBS Tucumã, MasterBoi, Mercúrio Ananindeua, Mercúrio Castanhal, Mercúrio Xinguara, Minerva, MR Souza Júnior, Planalto, Rio Maria, Santa Cruz Altamira, Santa Cruz Ananindeua, Santa Cruz Marabá, Socipe, Wellard, e Xinguara Indústria e Comércio.

Já as empresas Frinort Tomé Açu e MJ Novaes, apesar de terem celebrado Termo de
Ajuste de Conduta, não apresentaram a auditoria e nem qualquer justificativa razoável
para não fazê-la. T M da Silva de Carvalho – Frigorífico Novo Progresso EPP, Abatedouro de Bovinos Sampaio LTDA, José L. de Oliveira Eireli LTDA/Frivata Frig. Vale do Tapajós, Marfribe Indústria LTDA – EPP/
Matadouro e Frigorífico Bezerra, R. Barcelos Ribeiro ME Frigovan,
Frigonorte Acre e Uniboi Alimentos e Frigorífico São José não fizeram qualquer acordo e nem compromisso público de controle da legalidade
socioambiental de seus fornecedores e apresentam movimentação relevante, o que
pode comprometer negativamente todos os esforços de grande parte do setor na
regularização da atividade e na diminuição do desmatamento, conforme o MPF. Ademais, tais empresas
podem estar em condição vantajosa no que tange à livre concorrência caso se
comprove a aquisição de gado de origem ilegal. 

Por isso, os procuradores vão oficiar ao Ibama, para que fiscalize essas empresas, averiguando
inclusive possível responsabilidade de seus compradores; e
vão chamar os representantes legais das empresas para que compareçam ao
MPF.

Cliquem aqui e acessem os detalhes dos principais resultados auditados.

Leiam aqui  as principais recomendações.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *