Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

MP de olho em crimes eleitorais

O Procurador Regional Eleitoral, Alan Mansur, recomendou aos promotores que atuam perante as 104 zonas eleitorais do Pará que fiscalizem o uso de servidores públicos em campanha, propaganda irregular em Casas legislativas e distribuição de benefícios fora das permissões legais, inclusive os programas sociais mantidos pelo governo federal, Estado e municípios. 

Desde o primeiro dia do ano eleitoral, está proibida a distribuição gratuita de benefícios por parte da administração pública, exceto em caso de calamidades, estado de emergência ou programas sociais autorizados em lei já em execução orçamentária.  

A utilização de mão de obra de servidores públicos, no seu horário de trabalho, além de infringir a legislação eleitoral e ser ato de improbidade administrativa, gera corrupção eleitoral e o desequilíbrio na disputa, comprometendo a legitimidade e a normalidade das eleições”, enfatiza o procurador da República, esclarecendo que, fora do horário de trabalho, o servidor ou empregado público é livre para divulgar seu pensamento e fazer campanha eleitoral. O problema é que há muitos casos documentados até de coação de servidores para o trabalho em comitês de candidatos. Os promotores eleitorais foram orientados a apurar todas as reclamações. 

A propaganda eleitoral dentro da Assembleia Legislativa e Câmaras de Vereadores – permitida pela lei eleitoral e pelo TSE – deve ser autorizada expressamente pela Mesa Diretora de cada Casa. A regulamentação vai ser cobrada pelo MP.

Serviço – como fazer denúncias eleitorais no Pará: pelo aplicativo de celular WhatsApp – (91) 8403-5255; pela internet, no site cidadao.mpf.mp.br; e pelo disque-denúncia, via telefone 0800-0960003. Para denunciar de forma presencial, compareça a uma das unidades do Ministério Público Federal no Pará (endereços em www.prpa.mpf.mp.br), ou do Ministério Público do Estado (endereços em www.mppa.mp.br).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *