O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Morte e vida jornalista

O Brasil é um dos países mais violentos do mundo
para os jornalistas. 70% das mortes permanecem impunes. A vida aqui vale pouco,
muito pouco.
A polícia acaba de desvendar o assassinato do
jornalista e radialista Francisco Gomes de Medeiros, 48, a tiros, no dia 18 de
outubro de 2010, em Caicó, a 282 Km de Natal(RN).

O crime foi encomendado por quatro facínoras, que fizeram uma vaquinha para pagar R$ 8 mil a um
pistoleiro: o comerciante Lailson Lopes, o pastor da Primeira Igreja Batista
Gilson Neudo Soares do Amaral (que usou R$ 1 mil do dízimo na coleta assassina),
o coronel Marcos Antonio de Jesus Moreira (que deu cinco cheques) e o policial
militar Evandro Medeiros (que ajudou o pistoleiro a se desfazer da arma e a
fugir da cidade). O advogado Rivaldo Dantas de Farias articulou o plano e
arrecadou o dinheiro. João Francisco dos Santos, o “Dão”, o matador, era
motorista do advogado. O motivo? Os mandantes não gostavam do atuante jornalista,
que fazia denúncias constantes contra envolvidos em irregularidades, publicadas
em seu blog pessoal e veiculadas em emissoras de rádio. Só por isso. Simples
assim.

O pastor queria matar todos da emissora em que o radialista trabalhava. A
equipe tomava o café da manhã diariamente enviado por uma padaria. O plano era enviar
bolos, pães e sucos envenenados. O plano foi descartado porque o restante do
grupo – vejam só – discordou da ideia.
O acerto: o executor receberia R$ 3 mil para fugir,
pagos pelo pastor, e mais R$ 5 mil pagos pelo coronel Moreira e Lailson,
repassados por Rivaldo.
F. Gomes foi alvejado
na calçada de sua casa. O pistoleiro chegou numa moto. Socorrido no Hospital
Regional de Mossoró, não resistiu aos ferimentos e morreu. Deixou viúva e três
filhos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *