Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Moções aprovadas no Congresso Nacional dos Jornalistas

Foi aprovada à unanimidade, no 36º Congresso Nacional dos Jornalistas, em Maceió, moção de solidariedade a Lúcio Flávio Pinto, com a seguinte redação: “Os jornalistas brasileiros, presentes ao 36º Congresso Nacional dos Jornalistas, se solidarizam e manifestam todo apoio à luta do jornalista Lúcio Flávio Pinto, que enfrenta 33 processos judiciais pela sua firmeza e corajosa defesa da Amazônia, que sofre um brutal processo de grilagem e especulação de suas terras, destruição dos seus recursos naturais, e forte impacto sobre as suas populações tradicionais. Lúcio Flávio Pinto é editor do periódico alternativo “Jornal Pessoal”, editado em Belém (PA) há 26 anos

Também foi unânime a aprovação de moção de repúdio ao grupo RBA. Eis a íntegra: “Os jornalistas brasileiros, reunidos no seu 36º Congresso Nacional dos Jornalistas, repudiam o Grupo RBA, no Pará, de propriedade da família do senador da República Jader Barbalho, do PMDB, pela demissão de 16 jornalistas que participaram da histórica greve realizada na empresa em setembro de 2013, que conquistou um piso salarial e reajuste de 50% nos salários, além de cláusulas de segurança e melhores condições de trabalho. A greve é um direito constitucional e deve ser respeitado. Perseguir trabalhadores com demissões e outras formas de assédio moral é uma prática antissindical, que fere a democracia e os direitos humanos. Com isso, fazemos um chamado à categoria no Pará e no Brasil para que repudiem essa prática e cobrem da empresa o fim das demissões políticas e reintegração dos demitidos. Maceió, 05 de abril de 2014.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *