O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Megale esclarece assinaturas

Ao retornar, hoje, de sua viagem à China e à
Malásia, o líder do PSDB na Alepa, deputado José Megale, esclareceu as notícias
sobre as investigações do Ministério Público relativas à sua assinatura em
cheques da Assembleia Legislativa, de 2003 a 2006, quando era vice-presidente
da Casa.
Afirmando que repetirá o gesto espontâneo que fez
em junho de 2011, quando se colocou à disposição do MP, Megale explicou que, na
época, na ausência do presidente, assinou alguns cheques, mediante
pareceres técnicos e jurídicos elaborados por servidores que detinham a
competência administrativa para tal. E que os cheques tinham que ter a
assinatura do presidente ou vice, além da assinatura do 1º secretário, que
poderiam não estar, necessariamente, no mesmo local na hora desse ato, e cabia
ao servidor responsável pelo documento buscar as assinaturas e dar o devido
encaminhamento. O parlamentar lembrou que há quatro categorias de cheques no
MP: uma assinada só por ele; duas por outros deputados e um sem assinatura de
nenhum deputado, fato do qual tomou ciência na visita ao MP no ano passado.
Megale disse que assinou também, na ausência do
presidente, atos administrativos e leis, mas agiu de boa-fé, sem receio de que
houvesse irregularidade, cumprindo a rotina do cargo, e com respaldo dos
setores competentes da Alepa.
E reafirmou sua crença no trabalho do Ministério
Público. “Volto afirmar como fiz desde o
início, que o MP continue fazendo as investigações, pois a instituição tem
competência para tal,  e após, tome as providências necessárias na
apuração das irregularidades. A Instituição pode contar com minha colaboração
no que for preciso. Estarei à disposição para responder qualquer solicitação,
seja de que caráter for. Não me furtarei jamais de minhas responsabilidades
”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *