A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Margot e Gal no Mangal das Garças

Duas simpáticas novas moradoras foram integradas ao Parque Zoobotânico Mangal das Garças (R. Carneiro da Rocha, s/n – Cidade Velha, Belém – PA): as bebês Margot, araracanga (Ara macao) com 10 meses de idade, e Gal, de três meses, coruja Suindara (Tyto furcata), também conhecida como coruja-de-igreja ou rasga-mortalha.

Margot foi resgatada pelo Batalhão de Polícia Ambiental em uma feira de Belém. Ela estava à venda, com as asas cortadas e sinais de maus tratos, desidratação e problemas de nutrição. Após exames e tratamento na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), foi encaminhada ao Mangal por meio da Secretaria de Estado de Meio-Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

Muito dócil, Margot está evoluindo bem em termos de manejo alimentar e comportamental. “Estamos procurando adaptá-la a um local que a deixe confortável e com o mínimo de estresse. Por ser muito jovem, ela não poderá ficar na ilha das araras, pois todos os animais que vivem lá são territorialistas e ela não ficaria bem sem saber se defender”, explica Basílio Guerreiro, biólogo do Mangal das Garças.

Também conhecida como Arara-vermelha, a Araracanga é a terceira maior ave da espécie Ara, muito conhecida no continente. Sua figura foi usada para enfeitar o primeiro mapa do território do Brasil, pelas suas fortes e exuberantes cores, que representam muito bem a fauna brasileira. E apesar de ter sumido de alguns territórios onde era muito comum ser vista não é considerada em ameaça de extinção. Uma curiosidade linda é que os casais dessa espécie de ave são fiéis e inseparáveis, costumam ser monogâmicos até a morte. Juntos, constroem o ninho e nidificam geralmente em troncos de árvores ou em fendas de rochas. As fêmeas colocam em média três ovos que são chocados entre 22 e 34 dias. Durante esse período elas são alimentadas pelo macho e cada filhote nasce em dias diferentes. Os pais cuidam dos filhotes pois eles são indefesos e cegos, defendem o ninho para que não seja atacado por mamíferos e répteis maiores e alimentam suas crias por dois ou três meses.

Gal também chegou ao Mangal das Garças por meio do BPA, acionado por um grupo de pessoas que encontrou a pequena ave abandonada na rua. No Parque, onde realizou exames de imagem e laboratoriais que atestaram sua saúde, ela vai ser integrada aos poucos ao grupo de rapinantes e em breve fará parte do projeto de educação ambiental do Mangal. A coruja Suindara é espécie abundante no Brasil. As pessoas acreditam que, ao passar cantando em cima das casas, a ave anuncia a morte. Por este motivo, acabou sendo estigmatizada como ave de mau agouro, perseguida e morta.

Gal já pode ser vista passeando pelo Parque de terça a sexta, às 17h. Já Margot ainda está passando por um período de adaptação e depois será inserida no Viveiro das Aningas. Todos os animais que compõem a fauna do Mangal das Garças podem ser vistos pelo público dentro do horário de funcionamento do Parque: de terça a domingo, de 8h às 18h, com entrada gratuita, sendo cobrado ingresso em alguns espaços dentro do local: a Reserva José Márcio Ayres – borboletário/ Viveiro das Aningas/ Farol de Belém/ Memorial Amazônico da Navegação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Tanto o BPA quanto as equipes do Mangal das Garças merecem nosso reconhecimento e aplausos pela maneira com que se dedicam a recuperação e reintegração dessas espécies.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *