Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Mais uma estrela subiu

FOTO: RONALDO FRANCO
Nas palavras de Orly Bezerra, as minhas despedidas e homenagem à memória do Afonso Klautau. Na foto de Ronaldo Franco, Afonso fazendo uma das coisas que mais gostava, com Chembra Bandeira, outro marco do jornalismo parauara.
“Há uma semana recebi uma ligação do Afonso Klautau que, de bate pronto, foi logo me dizendo: já sabes? Vou precisar fazer um transplante de fígado. Tomei um susto. A voz dele estava diferente, num tom bem mais baixo. Mas logo foi dando detalhes, com entusiasmo, das possibilidades de sucesso da cirurgia, que seria feita em Fortaleza, para onde viajaria no final de semana seguinte. Nos despedimos.
E fiquei com a sensação de que, mais uma vez, ele venceria a briga com a morte. Mas, dessa vez, não deu. Perdi um amigo e companheiro de muitas jornadas. De muitas vitórias inesquecíveis. E de algumas derrotas desafiadoras. 

Conheci o Afonso em 1974 quando diagramei um jornal do movimento estudantil da UFPa., que ele participava junto com outros amigos. Três anos depois nos reencontramos na redação do jornal O Liberal e, de lá pra cá, sempre estivemos próximos. Vivemos bons momentos na saudosa redação do jornal Estado do Pará e na implantação do jornalismo da Tv Cultura, que ele tinha acabado de assumir depois de ter voltado do seu mestrado em São Paulo. 

Mas foi o marketing político que nos aproximou mais. Nossa primeira experiência juntos foi em 1990 na campanha do Said Xerfan. Depois disso, a cada dois anos, lá estávamos formando equipes, discutindo ideias, definindo estratégias, formatando programas, criando comerciais, enfim, trabalhando feito loucos para fazer o melhor por uma campanha. As do Almir Gabriel e do Jatene foram memoráveis. O Afonso tinha uma mente privilegiada e conhecia televisão como poucos: sabia o time exato desse veículo e usava com maestria o texto: ora para criticar, ora para emocionar. Formou uma geração. Eu Aprendi muito com ele. E como não existe campanha sem estresse, não foram poucas as vezes que, no ardor dos debates, as discussões acabassem com alguns arranhões. Mas nada que não fosse resolvido, dias depois, em meio a uma boa cervejinha, como ele carinhosamente apelidava uma “loura”.
 

Afonso, uma cervejinha! Onde você estiver. Saudades.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *