O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Mais um morto pela posse da terra

O presidente do PCdoB de São Domingos do Araguaia(PA), Luis Antonio Bonfim, foi executado com seis tiros na cabeça quando comprava pão em uma padaria, ontem. Ele liderava uma ocupação na região do ‘Tabocão’, em Brejo Grande do Araguaia (PA). A região, cenário da Guerrilha do Araguaia entre 1972 e 1975, até hoje é marcada pela violência da luta pela posse da terra. 

Há mais de trinta anos, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rio Maria e membro do PCdoB João Canuto de Oliveira foi trucidado por doze tiros, em 18 de dezembro de 1985. Anos depois, dois de seus filhos também tiveram o mesmo destino. Havia uma lista de marcados para morrer, que incluía a família Canuto, o advogado de posseiros e deputado do PCdoB Paulo Fonteles, o deputado João Batista, do PSB, e o padre Ricardo Rezende, da Comissão Pastoral da Terra (CPT). 

Em 11 de junho de 1987, Paulo Fonteles, dirigente do PC do B e defensor da reforma agrária,  foi covardemente assassinado em um posto de gasolina, em Marituba, à altura de onde hoje começa a Alça Viária. Em 6 de dezembro de 1988, em Belém, a 500 metros da residência do governador, João Batista foi morto a tiros na frente de sua esposa e filhos. Em 3 de fevereiro de 1991, o principal dirigente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rio Maria (PA), Expedito Ribeiro de Souza, também do PCdoB, acabara de sair de uma reunião sindical quando foi assassinado. Mais de três décadas depois, a história continua a se repetir. Até quando?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *