A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Magistrados postulam eleições diretas

Ontem, emblematicamente, juízes de todo o Brasil protocolaram pedido de eleições diretas para os tribunais. A diretoria da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região – presidente, juíza Claudine Teixeira da Silva Rodrigues; vice-presidente administrativo, juiz Carlos Zahlouth Jr; e vice-presidente legislativo, juiz Océlio Carneiro de Morais -, fez pronunciamento sobre a luta da magistratura rumo à democratização do processo eleitoral no Poder Judiciário brasileiro. 

Alinhada com a ação política proposta pela Associação dos Magistrados Brasileiros – AMB e compartilhada pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho – ANAMATRA, a AMATRA 8 protocolou hoje requerimento à Presidência do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, postulando a atualização do Regimento Interno, com vista à ampliação do colégio de eleitores no processo de escolha dos ocupantes dos cargos de Presidente e Vice-Presidente.
O requerimento está fundamentado na tese de que a ordem constitucional atualmente vigente, ao consagrar a autonomia administrativa e financeira dos tribunais, permite a esses dispor, privativamente, sobre a forma de escolha dos seus órgãos diretivos.
Trata-se de um passo importante para a ampliação dos espaços democráticos na gestão dos Tribunais, bem como efetivação da política de valorização da primeira instância.
Manteremos os associados informados sobre o processamento do pedido.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *