A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Livro didático polêmico em Curralinho


A promotora de justiça de Curralinho, Nayara Santos Negrão, pediu a suspensão da distribuição do livro didático “Enquanto o Sono Não Vem”, de José Mauro Brant, nas escolas públicas municipais, para crianças na faixa etária de 6 a 8 anos de idade. Alega que aborda a história de um pai que decide casar com uma das filhas. E como a situação de crimes sexuais envolvendo crianças e adolescentes no âmbito familiar é recorrente no Marajó, ficou preocupada e entendeu haver necessidade de analisar tecnicamente sua prejudicialidade ou não. O Grupo de Apoio Técnico Interdisciplinar do MPPA (Gati) deverá apresentar relatório elaborado por um pedagogo. Mas a Secretaria Municipal de Educação já informou ter cancelado a distribuição da obra literária. 

Há um mês, em meio a grande polêmica, o ministro da Educação, Mendonça Filho, mandou recolher o livro das escolas públicas. É que um dos contos aborda o tema incesto, considerado impróprio para crianças de seis a oito anos de idade. “A triste história de Eredegalda” fala sobre o desejo de um rei casar com a mais bonita de suas três filhas. Diante da negativa, a menina é castigada e acaba morrendo de sede. A personagem pede a ajuda da mãe e das irmãs, que nada fazem, por medo das ameaças de morte do rei.

Professores e pais de alunos em todo o País questionaram o conteúdo, o que levou o MEC a encomendar parecer técnico e jurídico à Secretaria de Educação Básica, que considerou a temática inadequada para crianças em idade de alfabetização. 

Com a decisão, os 94 mil exemplares adquiridos pelo MEC serão redistribuídos para bibliotecas públicas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *