Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Livro didático polêmico em Curralinho


A promotora de justiça de Curralinho, Nayara Santos Negrão, pediu a suspensão da distribuição do livro didático “Enquanto o Sono Não Vem”, de José Mauro Brant, nas escolas públicas municipais, para crianças na faixa etária de 6 a 8 anos de idade. Alega que aborda a história de um pai que decide casar com uma das filhas. E como a situação de crimes sexuais envolvendo crianças e adolescentes no âmbito familiar é recorrente no Marajó, ficou preocupada e entendeu haver necessidade de analisar tecnicamente sua prejudicialidade ou não. O Grupo de Apoio Técnico Interdisciplinar do MPPA (Gati) deverá apresentar relatório elaborado por um pedagogo. Mas a Secretaria Municipal de Educação já informou ter cancelado a distribuição da obra literária. 

Há um mês, em meio a grande polêmica, o ministro da Educação, Mendonça Filho, mandou recolher o livro das escolas públicas. É que um dos contos aborda o tema incesto, considerado impróprio para crianças de seis a oito anos de idade. “A triste história de Eredegalda” fala sobre o desejo de um rei casar com a mais bonita de suas três filhas. Diante da negativa, a menina é castigada e acaba morrendo de sede. A personagem pede a ajuda da mãe e das irmãs, que nada fazem, por medo das ameaças de morte do rei.

Professores e pais de alunos em todo o País questionaram o conteúdo, o que levou o MEC a encomendar parecer técnico e jurídico à Secretaria de Educação Básica, que considerou a temática inadequada para crianças em idade de alfabetização. 

Com a decisão, os 94 mil exemplares adquiridos pelo MEC serão redistribuídos para bibliotecas públicas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *