Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Liminar garante 70% dos médicos

O Ministério Público do Trabalho PA/AP requereu e obteve liminar judicial determinando que o Sindicato dos Médicos do Pará e o Município de Belém garantam, durante as paralisações previstas da categoria, a prestação dos serviços indispensáveis de assistência hospitalar, mediante a manutenção de profissionais de urgência e emergência em número não inferior a 70%. A decisão se aplica ao SAMU – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência; às UPAs – Unidades de Pronto Atendimento, em especial a de Icoaraci e ao Hospital Pronto Socorro do Guamá (Humberto Maradei), sob pena de multa diária no valor de R$10 mil em caso descumprimento. 

De acordo com o Sindimepa, a categoria protesta por melhores condições de trabalho, segurança e condições salariais. Faltam remédios básicos nas unidades de saúde, materiais e equipamentos para o exercício da profissão e os plantões não são reajustados há mais de cinco anos, além do não direito a férias e 13º salário. 

Para o MPT, a greve em atividades essenciais, a exemplo dos serviços de saúde, deve ser utilizada como recurso extremo e com observância estrita dos requisitos legais, de modo que os interesses de uma categoria não se sobreponham aos de toda a coletividade, o que constituiria abuso de direito. O Tribunal Regional do Trabalho entendeu que o Ministério Público do Trabalho tem legitimidade para atuar nos casos em que a greve for lesiva ao interesse público. Também é obrigatória, a comunicação prévia pelo sindicato, ao público em geral, da data e hora do início da paralisação do serviço, com pelo menos 72 horas de antecedência.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *