Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Licenciamento de lavra de bauxita

A Sema agendou audiências públicas, com
a presença do MPE-PA, órgãos governamentais, Ongs e entidades civis, para esta
quinta, 25, e sexta, 26, nos municípios de Rondon do Pará e Dom Eliseu, a fim
de debater os estudos que sustentam o pedido de licenciamento ambiental do
projeto Alumina Rondon, da Votorantim Metais.
Trata-se da exploração
de bauxita com planta de processamento primário. A mina fica a 70 Km da sede de
Rondon do Pará, abrangendo também Dom Eliseu. Com previsão de minerar 420
milhões de toneladas de bauxita em 40 anos, o empreendimento pretende beneficiar
308 milhões de toneladas e transformá-las em 120 milhões em alumina. Com isso,
seria gerado um total aproximado de 300 milhões de toneladas de material
estéril, que precisa ter destinação correta.
O MPE manifestou
preocupação com a emissão de poluentes que podem causar danos à camada
atmosférica. Outro problema é a chegada de trabalhadores e aventureiros na
região, desestruturando escolas, postos de saúde e delegacias, que não têm
capacidade para a demanda, além da grande quantidade de caminhões circulando
nas vias paraenses, que contribuem para o aumento da poluição, risco de
acidentes, estragos nas rodovias e caos no trânsito.

Os R$ 5,6 bilhões para implantação do
empreendimento devem representar também desenvolvimento digno para região, com
geração de emprego, renda, melhoria de qualidade de vida e respeito ao meio
ambiente
”, observa o promotor de justiça Raimundo Moraes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *