O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Justiça sim, pedofilia nunca!

Anônimo(a) das 17:32, o fato de você ter relações afetivas com Sefer não lhe dá o direito de insultar os outros, menos ainda quando pretende desmentir, tapando o sol com a peneira, uma decisão judicial, embasada em inquérito policial, laudos periciais, parecer do Ministério Público e relatórios de duas CPIs, não por coincidência unânimes em condenar Sefer pelos crimes de estupro de uma criança de 9 anos. A própria defesa pediu a absolvição alegando insuficiência das provas para condenação e em nenhum momento provou a inocência de Sefer. Ao condená-lo por estupro de vulnerável, é a juíza Graça Alfaia (e não eu) que sustenta que a versão apresentada pelo réu não encontra respaldo no conjunto probatório dos autos.

Nem com sua cara banca de advogados e toda a sua astúcia Sefer conseguiu explicar plausivelmente o porquê de trazer a vítima – e a outra menina de 11 ou 12 anos que ela encontrou lá – do interior do Estado para morar em sua casa: por lei, elas não poderiam exercer trabalho doméstico. Também não recebiam educação e nem os cuidados que ele poderia lhes proporcionar, muito menos eram tratadas como da família.

Um dos momentos que mais me chocou foi o depoimento da mãe da amiga da criança, que a acolheu quando conseguiu fugir do antro de atrocidades de Sefer: disse que nunca a viu sorrindo, mas também que nunca a viu chorando…

O homem a quem Sefer encomendou a menina de Mocajuba testemunhou que o monstro deixou claro que tinha que ser uma criança; entre 8 e 9 anos; e que era para ser dama de companhia da sua filha (na época já uma adolescente) – mas restou provado que só os filhos homens moravam com Sefer. Dos 9 aos 13 anos a pobre criança só teve um atendimento odontológico e o próprio Sefer confirmou ter feito exames ginecológicos nas duas meninas, apesar de não ser ginecologista.

São palavras da juíza Graça Alfaia e não minhas: “O cotejo dos depoimentos demonstra, sem ensancha a dúvidas e de forma hialina, circunstâncias que vão ao encontro das declarações prestadas pela vítima, isto é, as testemunhas inquiridas foram firmes e coerentes ao afirmarem que sobre o estado emocional da ofendida e sobre os fatos por ela narrados. Por outro lado, as testemunhas de defesa em nada alegaram que pudessem desabonar o teor das declarações da vítima e das demais testemunhas.”(Sic)

As declarações da filha da empregada doméstica de Sefer, de que encontrou a menor numa festa noturna em companhia de rapazes, e do porteiro do edifício de Sefer, de que via a menina sair à noite e retornar de madrugada, não só em nada descaracterizam o crime consumado por Sefer como servem de agravante. Ora, ele tinha a guarda de fato e também a guarda judicial provisória da criança; como é que ela perambulava pela noite?! E que coincidência justamente a filha da sua empregada de confiança tê-la visto! Quanto ao porteiro, desnecessário comentar sua suspeição.

Causa estupor outra alegação de Sefer, que acabou por revelar o submundo das relações de poder e da política do toma-lá-dá-cá: disse que “a delegada que presidiu o inquérito policial do caso o perseguiu porque sua irmã, Ana Amélia Figueiredo, foi secretária de Segurança Pública no governo passado e chefiou toda polícia do Estado, por quatro anos, época em que a delegada passou no concurso; que na época em que sua irmã era secretária tomava as decisões políticas por sua orientação; que nessa época tinha poder sobre a secretaria de segurança pública e não tirava nenhum delegado do interior; que acha que a delegada se vingou do acusado pelo fato de ter sua transferência negada pelo ora acusado(!).

Como se vê, ao invés de lhe servir de justificativa, a emenda ficou pior do que o soneto, e se constitui em um Cisne Negro do processo, eis que evidenciou abuso de autoridade e tráfico de influência no governo, o que deve ser objeto de apuração pelo Ministério Público Federal perante do TRE-PA.

Sefer também alega que a vítima já teria sofrido violência sexual por seu próprio pai, e arrolou como testemunha de defesa a irmã da pequena, que declarou ainda ter sido estuprada e engravidado de seu pai aos 12 anos.

Ora, um homem normal, de bem, bom pai, político com mandato, rico e poderoso, ao tomar conhecimento de tal barbárie, imediatamente a denunciaria, inclusive por força de lei, sob pena de ser cúmplice. Mas o que Sefer fez? Seviciou, torturou a criança de todas as formas possíveis e imagináveis, e ainda tem a audácia de querer justificar sua mostruosidade com tais relatos, como se autorizassem o cometimento de seu crime hediondo.

Mais: um dos filhos de Sefer, na época adolescente, confessou que realmente praticava atos libidinosos com a vítima.

A juíza Graça Alfaia concluiu que Sefer, para satisfazer sua própria lascívia, não só estuprou continuamente a criança, como premeditou o crime – para o que o comportamento da vítima em nada concorreu -, e cujas consequências são gravíssimas, tendo em vista o trauma psicológico permanente, irreversível, a ela causado.

O ato violento, depravado, sórdido, repugnante, horrendo, pavoroso e, enfim, hediondo, foi devidamente qualificado entre os crimes dessa espécie.

De acordo com a Lei dos Crimes Hediondos, nos quais estão inclusos os novos delitos de estupro, o seu sujeito ativo, então processado ou condenado, no dizer de JÚLIO FABRINI MIRABETE: “… não pode ser beneficiado com anistia, graça ou indulto (art.2°, I), não tem direito a fiança e liberdade provisória (art.2º, II), deverá cumprir a pena integralmente em regime fechado (art. 2º, § 1º), sua prisão temporária pode se estender por trinta dias, prorrogável por igual período em caso de extrema e comprovada necessidade (art. 2º, § 3º) e, em caso de sentença condenatória, o Juiz decidirá fundamentalmente se poderá apelar em liberdade, podendo, pois, negar o benefício ainda que o condenado seja primário e de bons antecedentes.”

Por fim, mas não menos importante, a juíza Graça Alfaia tomou o cuidado de mandar oficiar à Justiça Eleitoral para fins de suspensão dos direitos políticos de Sefer, com base no artigo 15, III da Constituição Federal.

De lembrar-se, ainda, que não foi o primeiro decreto de prisão preventiva de Sefer: o juiz Eric Peixoto já o fez anteriormente quando titular da Vara de Crimes contra Crianças e Adolescentes, pelos mesmas razões fáticas e fundamentos jurídicos. Só o TJE-PA não vê.

(Resposta a defensor(a) de Sefer, que se acoberta no anonimato para denegrir a imagem da criança violentada e torturada, na caixinha de comentários do post Uma História de Horror.)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *