Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Justiça Federal condena ex-prefeito

Miguel Pedro Pureza Santa Maria , ex-prefeito de Curralinho, um dos municípios mais pobres do Marajó, do Pará e do Brasil,  foi condenado pelo juiz federal Cláudio Henrique Fonseca de Pina por improbidade administrativa na gestão de R$ 1,4 milhão, que entre 2009 e 2012 deveriam ter sido destinados à educação e à erradicação do trabalho infantil. O ex-prefeito teve seus direitos políticos suspensos por cinco anos, está proibido de fazer contratações ou de receber benefícios do poder público pelos próximos três anos e deverá devolver os recursos com juros e correção monetária. 

Ministério Público Federal e a Controladoria-Geral da União apontaram desvio de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).
A maior parte do dinheiro – R$ 977 mil – havia sido destinada aos programas de transporte escolar e qualidade na escola. O município não apresentou comprovação de despesas e cometeu irregularidades na contratação de pessoas físicas. 

Outros R$ 405 mil, destinados à merenda escolar, não têm comprovantes e licitações foram feitas em desacordo com a legislação ou nem foram realizadas. Ele também não comprovou o uso de R$ 64 mil que deveriam ter sido aplicados no programa de erradicação do trabalho infantil.

O processo nº 0029188-56.2013.4.01.3900 tramita na 1ª Vara Federal em Belém do Pará.

Cliquem aqui e leiam a íntegra da sentença​​ e façam aqui o acompanhamento processual.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *