A Associação do Ministério Público do Estado do Pará elegeu nesta sexta-feira, 24, a nova diretoria da Assembleia Geral, Diretoria Administrativa e Conselho Fiscal, para o biênio 2022-2024. Os promotores de justiça Alexandre Tourinho e Fábia Fournier, presidente e vice-presidente,…

O CineSal desta semana foi com a professora doutora Sidiana Macêdo, que abordou o tema "Na cozinha de Babette", sobre o filme "A festa de Babette", de 1987, baseado no livro homônimo, da escritora dinamarquesa Karen Blixen, com direção de…

A juíza titular da 1ª Vara do Trabalho de Parauapebas, Roberta de Oliveira Santos, homologou, hoje, 24, o pagamento dos direitos trabalhistas a uma mulher que atuava como cozinheira em um grande hotel da cidade, a mais rica do Pará.…

Vai ser em alto estilo, neste sábado (25), ao cair da tarde, a inauguração do restauro do Palacete Faciola: show da Amazônia Jazz Band e abertura das exposições "Belém Passado/Presente", em homenagem ao saudoso professor, arquiteto e urbanista Flávio Nassar;…

Juiz libera presos da Operação Patuá

O juiz Lauro Alexandrino Santos, de Igarapé Miri, em decisão tomada no plantão do Réveillon, dia 31 de dezembro de 2016, determinou a soltura de vários presos na Operação Patuá e transformou a prisão preventiva decretada contra o ex-prefeito local Ailson Santa Maria do Amaral, o Pé de Boto – que está na condição de foragido – em prisão domiciliar, com medidas cautelares, tais como tornozeleira eletrônica e outras. 

O magistrado mandou oficiar à Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará, para que explane ao juízo “acerca de todas as medidas, providências, procedimentos, recursos e cuidados necessários, indispensáveis e aplicáveis à segurança e à proteção da integridade física, psíquica e psicológica do denunciado Ailson Santa Maria do Amaral, na hipótese de descumprimento das cautelares acima impostas e consequente restabelecimento de regime carcerário próprio de prisão preventiva”. 

As acusações que pesam contra Ailson Santa Maria do Amaral são, conforme os autos: “participação em organização criminosa; obstrução ou embaraço no curso de investigação – três vezes; homicídio tentado – oito vezes; homicídio consumado em atividade de extermínio – quinze vezes; denunciação caluniosa – uma vez”. A ação penal relata fatos ocorridos nos anos de 2012 a 2014 e o recebimento da denúncia se deu em 30/06/2015, quando também foi decretada a prisão preventiva dos 12 denunciados.

O juiz determinou, ainda, que seja oficiado à Assembleia Legislativa do Estado do Pará solicitando o envio de cópia do relatório final datado de 30/01/2015 e respectivos documentos da Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI – instaurada em face do Requerimento nº 310/2014, proposto pelo deputado Edmilson Rodrigues para apuração da atuação de grupos de extermínio e milícias no Estado do Pará, sendo que os documentos a serem encaminhados devem ser apenas aqueles pertinentes aos fatos ocorridos no município de Igarapé-Miri.

Cliquem aqui para ler a íntegra da decisão. O Ministério Público, que se posicionou contrário à revogação da prisão preventiva, tem dez dias para apresentar as alegações finais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *