Em sentença publicada hoje no Diário da Justiça do Pará, a juíza Blenda Nery Rigon Cardoso, titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Belém, em substituição ao juízo da 9ª Vara Criminal, absolveu sumariamente a jornalista Franssinete Florenzano, editora…

Em pleno Dia Internacional dos Museus, foi inaugurada a exposição Sentinela do Norte: A Independência do Brasil no Grão-Pará, realizada pelo Instituto Histórico e Geográfico do Pará em parceria com a Cátedra João Lúcio de Azevedo, o Instituto Camões e…

O Complexo Turístico do Ver-o-Rio foi o cenário da celebração do projeto de lei de autoria da vereadora Lívia Duarte, presidente municipal do Psol, que criou o Estatuto de Igualdade Racial de Belém. O prefeito Edmilson Rodrigues, vereadores e representações…

As pessoas andam com os nervos à flor da pele e à beira de um ataque de nervos. Muitas tragédias têm sido causadas pela falta de temperança, paciência e serenidade, principalmente no trânsito. Pior é quando o causador é agente…

Jovens em conflito com a lei & cidadania

Em parceria com a campanha “Dê um cartão vermelho ao trabalho infantil”, coordenada no Pará e Amapá pelas juízas do Trabalho Zuíla Dutra e Vanilza Malcher, a empresa Proativa, só neste primeiro ano, já vai beneficiar quase 100 jovens na faixa etária de 14 a 21 anos com curso de capacitação profissional, em Belém. A bela iniciativa, que promove o ingresso de adolescentes no mercado de trabalho formal de forma qualificada e protegida, em consonância com os preceitos da CLT, também beneficia os adolescentes em conflito com a lei que estão cumprindo pena em regime semiaberto. A Funpapa, órgão da prefeitura de Belém, levou 25 meninos, todos vestidos adequadamente e em companhia das respectivas famílias, no primeiro dia, para a admissão no curso. Foi um momento de muita emoção e prova de resgate da cidadania. Mas a Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará, órgão do Estado encarregado da custódia, chegou com os seus 25 garotos transportados em um camburão, sem a presença dos familiares e com forte aparato de vigilância, causando constrangimento geral e inviabilizando a nobre ideia de reinserção social como aprendizes. Afinal, é fundamental que não haja distinção e discriminação no trato com os adolescentes nesse ambiente. Ficou claro que é preciso que seja urgentemente repensado esse modus operandi da Fasepa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *