A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Jornalistas vitimados pelos agressores da democracia

A
morte do repórter cinematográfico da TV Bandeirantes, Santiago Andrade, atingido
por uma bomba quando cobria o confronto entre policiais e manifestantes na
Central do Brasil, durante protesto contra o aumento das passagens de ônibus no
Rio de Janeiro, na quinta-feira passada, deve provocar uma reflexão acerca do
retrocesso que vivemos. Paradoxalmente, tem recrudescido a violência em atos
pacíficos por legítimas reivindicações populares. E os jornalistas,
desprotegidos, têm sido vítimas preferenciais nessas ocasiões. Mas é preciso
separar o joio do trigo a fim de que tragédias como essa não sirvam de
justificativa para a repressão à liberdade de expressão e manifestação. A
sociedade pode e deve exigir das autoridades serviços públicos de qualidade e
democracia.
E os autores de gestos de barbárie precisam ser punidos
exemplarmente.
Profissional
experiente e competente, Santiago Andrade trabalhava na Band há 10
anos e tinha em seu currículo dois prêmios Mobilidade Urbana por cobertura
jornalística dos problemas no transporte público do Rio. Tombou em serviço, aos
49 anos, e deixou esposa, filha e três enteados.
O Ministério Público do
Trabalho vai investigar o porquê de Santiago não usar equipamentos de proteção
no momento do conflito
.
Não há qualquer norma do Ministério do Trabalho e Emprego que trate da
obrigatoriedade do fornecimento de equipamentos de proteção individual aos
trabalhadores da imprensa, mas o artigo 7º da Constituição Federal estabelece o
direito de todos os trabalhadores à redução dos riscos de acidentes do trabalho
por meio do estabelecimento de normas de saúde, higiene e segurança.

Em nota oficial, a FENAJ condenou
a violência contra jornalistas, que cresce assustadoramente no País, e cobrou
uma reunião com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, para tratar da
questão. A Federação defende a adoção de um protocolo nacional que garanta aos
jornalistas o direito à integridade e ao trabalho, a criação de um
observatório nacional para acompanhar e fiscalizar crimes contra os
profissionais de imprensa e a aprovação de lei que federalize a
investigação dos crimes contra jornalistas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *