Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Jatene vai reorganizar a administração

Único na História do Pará a ser eleito três vezes governador do Estado(em 2002, 2010 e 2014), Simão Jatene (PSDB) venceu o candidato do PMDB, Helder Barbalho, com 51,92% dos votos válidos, contra 48,08% do opositor, que tinha liderado o primeiro turno, numa virada espetacular, até porque foi traído e abandonado acintosamente por vários de seus aliados na reta final da campanha, quando mais precisava de ajuda.  Outros fizeram corpo mole.  Alguns, já eleitos, até viajaram de férias. Houve quem apoiasse ostensivamente apenas Aécio Neves e ignorasse Jatene. Nas rodas dos bastidores políticos, era tema recorrente a debandada de prefeitos, vereadores e deputados. O índice de abstenções, altíssimo, chegou a 25,22%, cerca de 4% a mais do que o registrado no primeiro turno. Os votos em branco representaram 1,48% e os nulos 6,20%. Dos 3.877.989 paraenses que foram às urnas, 1.858.869 votaram em Jatene e 1.721.479 em Helder, na eleição mais renhida e violenta dos últimos 25 anos, marcada por manifestações de ódio e denúncias de crimes eleitorais.

Passando do discurso ao gesto, em seu primeiro pronunciamento como governador reeleito, ontem, Jatene reafirmou a luta para recompor o pacto federativo, cujas distorções têm causado imensos prejuízos ao Estado do Pará, que gera saldo na balança comercial do Brasil e não recebe a contrapartida da União. “O Pará tem contribuído para o desenvolvimento do Brasil, mas não tem tido reconhecimento. O Pará não pode ser o segundo maior saldo da economia e ter indicadores precários.” 

Jatene também está otimista quanto ao seu novo mandato, já que tem as contas públicas em ordem, e fez referências às mudanças que pretende implementar na estrutura administrativa, azeitando a máquina de modo a atender melhor a todas as regiões. “Tenho o princípio de que a todo tempo é preciso avaliar os acertos e os erros, e rediscutir a estrutura organizacional do Estado. Tivemos dificuldade para equilibrar as contas, mas agora está mais fácil.” 

Quanto à governabilidade, Jatene está em posição confortável. Sua coligação tem maioria na Assembleia Legislativa do Pará, presidida pelo deputado Márcio Miranda (DEM), que, apesar de seu partido ter coligado com o PMDB e por isso ter sido obrigado a cumprir as imposições da lei eleitoral, foi aliado de todas as horas de Jatene. Além do mais, as relações políticas na Alepa, tradicionalmente, são articuladas no sentido do cumprimento das metas do Pará. “Eu acho que vai continuar sendo uma relação franca, fraterna, em torno das grandes causas do Estado“, disse Jatene, mesmo considerando que o PMDB elegeu a maior bancada na Casa.

Filho de imigrante libanês, Simão Robson Oliveira Jatene nasceu em 1949, em Belém. Formado em Economia pela Universidade Federal do Pará (UFPA), tem mestrado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Antes de entrar para a política, trabalhou como músico e servidor público estadual, inclusive como professor universitário e secretário de Estado de Planejamento, de 1983 a 1985, e entre 1995 e 1998. Foi um dos fundadores do PSDB, em 1988. 

O governador propõe a conciliação de todos em torno de questões de Estado. Que Deus o ilumine para o bem do Pará!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *