Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Jatene, Helder e o vice

Os bastidores da política parauara estão em brasa. Enquanto o vice-governador Helenilson Pontes(PSD) é alvo de fogo amigo cruzado diariamente e se livra como pode, sem passar recibo e ainda fazendo elogios públicos aos seus algozes,  o DEM escancarou sua insatisfação e ameaça mudar seus rumos. 

O deputado federal Joaquim de Lira Maia, há tempos, com a sutileza de um elefante em uma loja de cristais, mandou recado ao governador Simão Jatene(PSDB) no sentido de que queria ser seu vice e nada mais, ou iria ser seu opositor. Como era de se esperar, Jatene não se rendeu – e nem poderia, senão estaria literalmente liquidado. Já pensaram se cada liderança fosse impor sua vontade desse jeito? Pois bem. Jatene vem conversando com A, B e Z e também com LM, claro, mas até agora nada há definido. Só que Lira Maia tem pressa. A convenção do PMDB deve ser no próximo dia 15 – estratégia de marketing para marcar o número da legenda – e o senador Jader Barbalho, que já conversou ao pé do ouvido com o santareno, adoraria tê-lo como vice na chapa de Helder, com o que mataria dois coelhos com uma só cajadada. Tiraria importantes aliados de Jatene (se sair da base governista, o DEM ameaça levar mais dois partidos junto) e avançaria na região oeste do Pará, cujo eleitorado está sendo disputado a tapa.

Lira Maia ficou furioso porque pensou que, viajando no mesmo avião e ficando quatro dias em Paris com o governador Simão Jatene, na semana passada, poderia ter a conversa que tanto aguarda. Mas ela não aconteceu. Enquanto isso, proliferam as notícias de viagens do governador em companhia de Zequinha Marinho(PSC). O clima no DEM beirou a ebulição por causa disso. Mas o deputado José Megale(PSDB), coordenador da campanha de Jatene, nega que o fato tenha qualquer significado. Garante que há meses tanto o deputado Wandenkolk Gonçalves(PSDB) quanto Lira Maia já estavam confirmados na comitiva, pela afinidade com o tema da pecuária (LM já foi titular da Sagri). E que Jatene – que nem ia à França e só na última hora resolveu viajar -, ainda não bateu o martelo quanto ao vice de sua chapa.

Por sua vez, Zequinha Marinho está longe de ser unanimidade na base aliada, que comenta à boca pequena não saber quem disse ao governador que ele tem voto. 

Enquanto isso, o deputado Sidney Rosa(PSB), que chegou a pensar em recandidatura, já de olho na presidência da Alepa, foi convencido pelo prefeito Zenaldo Coutinho(PSDB) a se candidatar à Câmara Federal, assim como Joaquim Passarinho(PSD). A princípio seria Júnior Ferrari(PSD), mas ele prefere se reeleger deputado estadual e depois, em 2016, disputar a prefeitura de Oriximiná. O desenho já é em função do cenário na campanha de 2018, quando Zenaldo será forte candidato ao governo do Pará, pelo ninho tucano

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *