O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Irregularidades em São Miguel do Guamá

A prefeita Márcia Cavalcante (PSDB) e Niedson Machado, secretário de Finanças de São Miguel do Guamá, sacaram valores no Banpará com cheques avulsos na boca do caixa, como se vê nos extratos bancários, sem qualquer justificativa legal.
De 23.03.2011 a 11.04.2011, foram gastos em consultoria pedagógica e cursos de capacitação do ensino fundamental, de 1ª a 4ª séries – dos quais ninguém participou -, exatos R$343,06 mil. Também foram gastos R$331,2 mil a título de compra de material para a educação infantil – que os pais das crianças nunca viram -, assim como R$195 mil em mochilas infantis e R$180 mil com uniformes.
O cidadão Beto Feitosa teve acesso aos documentos aqui expostos e denuncia ter sido coagido e ameaçado em sua casa por um policial civil chamado Miguel das Neves, a mando da prefeita. 

Não custa nada ao TCM examinar com lupa a prestação de contas, que está em tramitação, para ver se tais aquisições foram licitadas e devidamente contratadas. E ao Ministério Público determinar investigação do caso. Como se trata de recursos federais, via Fundeb, cabe à CGU passar um pente fino na gestão. Além disso, é de se esperar que a Corregedoria da Polícia Civil abra procedimento para apurar a denúncia.


Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *