0

A Coordenadoria de Educação de Jovens, Adultos e Idosos (Coejai) da Secretaria Municipal de Educação (Semec), encerra o ano letivo com 2.250 pessoas certificadas pelo “Movimento Alfabetiza Belém”, um dos programas prioritários da Prefeitura de Belém, em parceria com os movimentos sociais e com as 38 escolas municipais que abrigam o projeto. A iniciativa pretende tornar a capital paraense livre do analfabetismo até 2025.

No próximo dia 12 , a partir de 18h, no Hangar – Centro de Convenções, haverá programação especial para celebrar as conquistas da educação municipal de jovens, adultos e idosos. Na agenda, a entrega dos certificados para 287 estudantes alfabetizados nas escolas que ofertam turmas na modalidade Educação de Jovens, Adultos e Idosos (Ejai) e a cerimônia de formatura de mais 834 concluintes do Ensino Fundamental também da Ejai. Na ocasião, histórias de lutas, superação e resistência vão ilustrar a importância social e transformadora do “Alfabetiza Belém” na vida das pessoas.

A Prefeitura de Belém tem o compromisso de promover uma educação pública de qualidade socialmente referenciada na pedagogia de Paulo Freire, para tornar a capital paraense uma cidade alfabetizada, educadora, leitora, inclusiva, antirracista e conectada.

Uma das ações prioritárias é o “Movimento Alfabetiza Belém”, coordenado pela Semec e instituído em fevereiro de 2021 para superar o analfabetismo em Belém atuando em duas frentes de trabalho: turmas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos nas escolas municipais, e em espaços comunitários com o auxílio de instituições públicas e movimentos sociais.

O público-alvo do programa são pessoas acima de 15 anos que por algum motivo nunca frequentaram a escola ou tiveram que abandonar os estudos. Com uma proposta diferenciada de promover uma educação pública de qualidade, socialmente referenciada e comprometida em superar o analfabetismo, a Prefeitura de Belém tem como referência a pedagogia de Paulo Freire, que em 1963 alfabetizou 300 trabalhadores rurais em 40 horas na cidade de Angicos, no Rio Grande do Norte.

“Para nós é fundamental promover os caminhos para que possamos concretizar nosso projeto prioritário de elevar Belém à referência de superação do analfabetismo”, destaca a secretária municipal de Educação, Araceli Lemos. O coordenador da Ejai, Miguel Picanço, ressalta a relevância de Belém, provavelmente, “ser a única capital com um programa de alfabetização com turmas funcionando nas escolas municipais e outra por meio de organizações sociais e instituições públicas com o “Alfabetiza Belém”, um presente para a nossa cidade”, afirma Miguel.

O Cinema de Pedro Almodóvar

Anterior

Lula põe Dino no STF e Paulo Gonet na PGR

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *