Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Grupo Cuíra estreia teatro em ônibus

O Grupo Cuíra tem uma capacidade extraordinária de se reinventar. Teve que fechar, este ano, o teatro que durou nove anos e rendeu grandes conquistas. Mas abriu novo espaço cultural em endereço diferente em Belém do Pará e estreou no último dia 8 o projeto de pesquisa da artista Olinda Charone sobre teatro litúrgico, “Esse corpo que me veste”, dramaturgia de Edyr Augusto Proença, com direção de Wlad Lima e as atrizes Olinda Charone e Zê Charone. E neste dia 15 de dezembro estreia o espetáculo “Auto do Coração”, projeto pensado para a rua, e que o grupo decidiu montar em um ônibus. 

Seis atrizes fazem solos a respeito do amor em suas vidas e nas vidas de outras pessoas, de maneira inusitada e criativa, enquanto o teatro circula pela cidade, com saída fixa em frente ao Theatro da Paz. As histórias vão sendo contadas pelas atrizes, que embarcam em determinados pontos, e, ao final, retornam todos ao ponto de partida. O Grupo Cuíra foi contemplado pela Funarte com o Prêmio “Myriam Muniz” para o projeto.

Para 2016 há outras novidades, como Poética Criatura – laboratório de teatro de porão (subterrâneo). 

Há mais de trinta anos em atividade, o Cuíra havia realizado, até agora, apenas um espetáculo na rua, curiosamente, o primeiro de sua carreira. Para o dramaturgo Edyr Augusto Proença, teatro é debate, discussão, trabalho coletivo e, principalmente, aquilo que se quer dizer com ele. 

Wlad Lima (também diretora), Olinda Charone, Leila Barreto, Zê Charone, Sandra Perlin e Sônia Alão, atrizes admiradas por suas carreiras e interpretações, falam de seus amores, do amor de outras pessoas e cada uma responsável por sua história e seu amor nos mais variados aspectos.
A ideia é tratar do amor que rege todas as vidas. O amor verdadeiro. Amor filial. Amor às coisas todas. Amores impossíveis. Amores eternos, primeiros amores, amor à arte, o amor de quem parte e de quem volta, o amor que nem precisa de amor em retorno porque se basta em ser platônico. O amor que alimenta a alma. 

Renato Torres é o autor das músicas e a direção musical e consultoria de dramaturgia é de Edyr Augusto, com visualidade e luz de Patrícia Gondim. 

Anotem: a temporada inicial é de 15 a 20 de dezembro de 2015, com venda de ingressos antecipados no teatro Cuíra (rua Dr. Malcher, nº 287, entre Capitão Pedro Albuquerque e Joaquim Távora, na Cidade Velha). O horário das apresentações é das 14h às 18 horas. Venda no local de partida do ônibus a partir das 18 h.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *