A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Gracias a la vida — Memórias de um militante


Era 21 de abril de 1970 quando Cid Benjamin, então líder estudantil e dirigente do MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro), ouviu do major Moacir Fontenelle voz de prisão. Num gesto instintivo, aplicou-lhe um golpe de judô — Cid era faixa preta e tinha sido campeão brasileiro juvenil —, derrubando o militar sobre o balcão da padaria no Lins de Vasconcelos, Zona Norte do Rio, “aparelho” onde Cid se encontraria com um camarada. É assim que o jornalista, de 64 anos, começa o seu livro “Gracias a la vida — Memórias de um militante”, que será lançado nesta quinta-feira, 13, às 18h, no auditório João Batista, da Alepa, em meio a um debate sobre os 50 anos do golpe que implantou a ditadura militar no Brasil, com a participação dos advogados e militantes Paulo Fonteles Filho e Egydio Salles Filho.

Outros episódios do período em que Cid esteve preso e enfrentou o regime militar constam na obra, que reúne celebração da vida, lembranças dos horrores das torturas, os nove anos de exílio, após sair da prisão, com 39 outros presos, em troca do embaixador alemão Ehrenfried Von Holleben, passando por Argélia, México, Cuba, Chile e Suécia,  e o sequestro do embaixador americano Charles Elbrick. Relatos históricos – alguns curiosos – como ter assistido à Copa do Mundo de 1970 no Departamento de Ordem Política e Social e ter recebido um violão, que tocava na solitária que ocupou no Dops, chamada de “ratão”

A compilação de memórias revela Cid, aos 21 anos,  em situações tais como carregando uma pistola sempre pronta para atirar; despistando os militares, com os cabelos pintados cor de acaju; e, ainda, na sala de torturas do DOI-Codi, levantando suspeitas ao descobrirem que carregava no bolso letra de Mílton Nascimento, que pensaram ser um código.
Cid traça um perfil dos torturadores, seres humanos “terrivelmente normais”, numa alusão à jornalista e filósofa Hannah Arendt, que assim se referiu ao carrasco nazista Adolf Eichmann.

Cid conta que foi doloroso escrever o livro, pois teve que reviver aquele tempo. Este, por sinal, tem sido um grande entrave para a Comissão da Verdade dos Jornalistas do Pará: a dor das vítimas, que deve ser respeitada, eis que senão estaríamos a violentá-los outra vez ao perscrutar suas entranhas. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *