Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Fresquinhos desviam rota em Belém

Usuários dos microônibus
da linha Pátio-Castanheira clamam pelo socorro do MPE-PA, uma vez que a AMUB
(ex-CTBel) faz ouvidos moucos aos
seus reclamos.
A
rota regulamentada inclui em seu trajeto a Rua dos Pariquis, no bairro de
Batista Campos, e a Rua Treze de Maio, no bairro do Comércio. Mas os passageiros
sofrem constantemente o constrangimento de esperar os referidos microônibus no
ponto da Rua dos Pariquis por longo tempo, ao fim do qual descobrem que os
motoristas desviaram sua rota pela Av. Conselheiro Furtado, suprimindo
exatamente sete quadras do percurso, para “economizar” tempo. E a falta de respeito não acaba por aí.
A repórter fotográfica Tamara Saré relata que, por não
poucas vezes – nos últimos dois meses foram seis ocorrências desse tipo – foi
convidada a descer dos microônibus ou impedida de entrar com a alegação de que
não iriam circular pelo bairro do Comércio – seu destino -, a pretexto de que
estavam indo ou vindo de suas garagens. Nesse caso, a consequência são exatas 26
quadras suprimidas do trajeto regular, onde certamente muitos passageiros ao
final de um dia de trabalho esperam inutilmente a passagem dos chamados “fresquinhos” que,  não se sabe  se sob a orientação dos
proprietários ou gerentes das empresas ou por um arranjo mafioso dos próprios
motoristas, encurtam arbitrariamente o percurso. 
Tamara conta que, nessas ocasiões, tem argumentado que
as linhas e seus condutores não fazem favor algum em cumprir seus roteiros,
independentemente dos horários ou situações climáticas, aos que pedem pra
aguardar o próximo carro. Anteontem, entre 18h e 18:40h, teve que descer de quatro
microônibus com essas alegações que insultam a menor das inteligências. 
Ora, se os motoristas dos microônibus querem
concluir o mais rápido possível seu expediente, isso não deve ser à custa dos
cidadãos que contam com a prestação de um serviço que é público. E como uma concessão pública e por ser o segmento do
transporte de importância de primeira ordem para a população deveria ser melhor
fiscalizado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *