Em 17 de agosto é celebrado o Dia do Patrimônio Histórico. A Lei nº 378/1937, no governo Getúlio Vargas, criou o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a fim de proteger e preservar os bens culturais do país, marcando…

A incorporação do território da então Província do Grão Pará e Rio Negro ao Império Brasileiro, fruto de um engodo, ensejou em poucos meses a tragédia do brigue Palhaço e, mais de dez anos depois, a sangrenta Cabanagem, mas esse…

O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Fila é quilométrica no trevo de Santa Maria

Pelo terceiro dia, índios de oito etnias bloqueiam o estratégico trevo das rodovias BR-316 e BR-010, na altura de Santa Maria do Pará. Montaram até uma cabana no meio da pista. Não há previsão para liberação do tráfego e os desvios próximos também estão interditados pelos índios. Só viaturas da Polícia e ambulâncias conseguem passar pelo local. Centenas de caminhões de carga, carros particulares e ônibus estão parados, a fila se estende por vários quilômetros.  Os veículos ocupam inclusive o acostamento e parte da pista no perímetro urbano da cidade de Santa Maria. 

A Polícia Rodoviária Federal está no local para evitar conflitos. Mas um vídeo feito de celular que circula desde ontem nas redes sociais mostra a agressão de um motociclista pelos índios, que o acusaram de ser PM disfarçado e ter ameaçado com uma arma os manifestantes. Em nota, o Ministério da Saúde, via Secretaria Especial de Saúde Indígena, informou que as reivindicações estão sendo avaliadas. Os índios querem que um indígena assuma a coordenação do Distrito Guamá-Tocantins. Segundo eles, alguns índios morrem nas aldeias, sem apoio médico.  

Quem pretendia ir a Salinas ou às praias do Nordeste, como as de Fortaleza e São Luís do Maranhão, ficou no meio da confusão. Há famílias com crianças que, no desespero, pagam a moradores da região para que os levem através de trilhas até local seguro, mais adiante. A opção de desvio é pela rodovia estadual que passa no município de Igarapé-Açu para aqueles que seguirão em direção à Belém; ou por Ourém e Capitão Poço, se o destino for Paragominas, via BR-010.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *