0

O programa Climate Skills – Seeds for Transition, que visa melhorar a educação climática e a empregabilidade na economia verde, especialmente entre comunidades jovens vulneráveis, selecionou nesta quarta-feira (31), projetos de organizações da sociedade civil e de pesquisadores de ICTs sediadas no Pará, alinhados ao plano estadual de bioeconomia e ao arcabouço de políticas setoriais em temas de mudanças climáticas, que serão financiados pelo British Council por meio de parceria com a Fapespa. Também é parceiro o banco internacional HSBC, que atua no intercâmbio prático dos projetos financiados.

Trata-se da chamada “Juventudes na liderança – Soluções locais para enfrentar as mudanças climáticas”, como parte do programa Climate Skills Brasil – Sementes para a Transição com a missão de fortalecer a educação climática no Pará. Serão selecionadas ao longo do programa até 16 propostas, cada uma com orçamento máximo de R$40 mil. Os interessados em participar devem ficar atentos para a próxima chamada do programa. Os detalhes podem ser conferidos nos sites da Fapespa e British Council Brasil.

“A razão dessa parceria é iniciar projetos com pessoas de Belém, que querem começar seu futuro, sua experiência com a bioeconomia. É um projeto para desenvolver as habilidades que os jovens precisarão para o futuro. Estou muito animado com essa parceria, pois são anos muito importantes para Belém, especialmente com a COP em 2025. Creio que temos uma enorme responsabilidade em ajudar os jovens na cidade. Estou muito otimista sobre o futuro e as possibilidades dessa parceria”, avalia Tom Birtwistle, diretor nacional da British Council no Brasil.

A parceria para o programa, Climate Skills – Seeds for Transition, firmada em 2023, já rende frutos. Os projetos selecionados hoje já poderão dispor dos recursos para iniciar as atividades. O resultado poderá ser conferido no dia 5 de fevereiro.

“Estamos falando de educação climática, de empregabilidade, de empreendedorismo, empregos verdes, isso tem tudo a ver com o que a gente está discutindo na COP 30. Esse projeto tem um potencial para levar até a COP produtos, que é o que o governador está nos pedindo, nós não queremos simplesmente ser os hospedeiros da COP, nós queremos ser protagonistas, oferecer produtos, oferecer soluções para o desenvolvimento sustentável desta região”, destaca o presidente da Fapespa, Marcel Botelho.

“Possibilitar que sejam desenvolvidos projetos em temáticas de mudanças climáticas, visando o empoderamento de jovens para uma amplificação do conhecimento acerca dos efeitos e das estratégias de mitigação das mudanças no clima é uma ação estratégica da Diretoria Científica, pois o conhecimento precisa ser construído com uma base sólida de dados científicos e de como as novas gerações serão aliadas no processo de combate à desinformação” ressalta o diretor Científico da Fappespa, Deyvison Medrado.

Revisão do plano de manejo da APA Algodoal-Maiandeua

Anterior

OS para macrodrenagem do Tucunduba

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *